15 de jan de 2014

Manifesto Jaaviano contra Olavo de Carvalho e outros arrogantes, inconsistentes, desonestos intelectuais e "fechados à diversidade da experiência humana e da realidade que nos constitui"

Caros amigos leitores, tenho um anúncio a fazer. Após ver o vídeo sobre o jornalista campinense Olavo de Carvalho feito pelo doutor em Psicologia Adriano Facioli (mais conhecido como Frank Jaava), membro da Tropa Lanterna Verde, resolvi seguir seu conselho e não mais considerar como filósofo ou como referência filosófica em qualquer assunto ou para qualquer abordagem séria de qualquer assunto os ditos filósofos que não possuírem consistência, humildade e honestidade intelectual, assim como não considerarei os que não forem, como ele disse mesmo?, "abertos para diversidade da experiência humana e para a riqueza da realidade que nos constitui".

Frank Jaava explicando ao telespectador sobre "conservadores extremos e rancorosos"
Vejamos, então, quem seria excluído desse grupo. O primeiro, sem dúvida, seria Friedrich Nietzsche, autor com importantes contribuições principalmente no que se refere ao estudo do mundo clássico (em especial grego) e da estética como um todo. Afinal, além de sua obra ser muito dispersa em termos filosóficos, que história é essa de, em Ecce Homo, escrever um capítulo intitulado Por que escrevo livros tão bons? E quanta falta de educação ele teve ao chamar Kant de imbecil em O Anticristo, não é? Fora o que fala dos cristãos em Crepúsculo dos Ídolos e Além do Bem e do Mal, um absurdo total! E mesmo que sejam artifícios de retórica e (segundo Jaava) "sofística", um homem desses jamais pode ser considerado um filósofo. Apenas "conservadores extremos e rancorosos" podem considerar um cara desses filósofo mesmo!

Já o segundo, sem dúvida, é ainda mais fraquinho e, com certeza, não deve ter contribuído muito para o estudo da retórica clássica, da estética e da moral de um ponto de vista ateu. Falo de ninguém mais do que Arthur Schopenhauer, pessimista alemão. Afinal, que história é essa de crer na teoria da conspiração de que só não entrou para a Academia na Alemanha porque a maioria (senão todos) os acadêmicos influentes da época eram partidários de Hegel, a quem Schopenhauer se opunha ferrenhamente? E esse negócio de passar metade do A arte de conhecer a si mesmo falando sobre como sua obra, por não se pautar no querer puro e simples, será eternizada? É muita falta de humildade!

Caramba, já ia até me esquecendo: E quando esse pessimista, em A arte de envelhecer, escreve que Hegel, Fichte e Schelling, seus contemporâneos, tinham sido o que de pior aconteceu para a Filosofia até então? E em A arte de escrever, então, quando ele fala que tudo o que Hegel consegue fazer são apenas floreios e mais floreios para que sua escrita pareça menos medíocre? Mas esse homem, além de não ter uma visão aberta "para a diversidade da experiência humana e para a riqueza da realidade que nos constitui", só xinga seus opositores! Como assim ele é considerado filósofo por alguém? Esses "conservadores extremos e rancorosos" só podem estar de brincadeira!

Schopenhauer: "Eu paguei net para ouvir essas porra?"
O que dizer, então, de gente como Sartre, um dos que mais contribuíram, em sua época, para a mudança de paradigma do estudo das artes em geral, que, ao apoiar o Stalinismo, mesmo que por pouco tempo e mesmo se arrependendo depois, e ao afirmar que poesia não é gênero literário para engajamento político, não percebe "a diversidade da experiência humana" e deseja apequenar o leitor ante os fatos? De Kant, que, arrogantemente, quis fazer excursões pela Biologia e pela Física mesmo sem manjar nada de nenhuma dessas áreas e depois nem teve a honestidade intelectual de reconhecer seu erro e pedir desculpas? De Foucault, que acreditava, como demonstra em A Ordem do Discurso, obra indispensável para quem quer entender como até mesmo a ciência pode se reduzir a um simples discurso em que o que vale é a vaidade dos cientistas e não a verdade, nesse conspiracionismo maluco de que cientistas podem, sim, excluir o que vá contra as suas ideias pessoais do rol das verdades científicas? De Rousseau, que, em Do Contrato Social, ao se pronunciar favorável à Pena Capital, desconsidera "a riqueza da realidade que nos constitui"?

E é isso aí! Como sou um homem que sabe reconhecer a "diversidade da experiência humana e para a riqueza da realidade que nos constitui", não posso levar a sério esse tipo de gente tão pouco humilde, tão inconsistente e tão desonesta intelectualmente!

Epa, espera... Como é esse negócio de "eles estavam tentando entender a realidade que os cercava mesmo"? Ah, deve ser só besteira dos "conservadores extremos e rancorosos."

Sobre o Autor: Octavius é graduando em Letras e caminha, mesmo que a passos tímidos, na trilha da Filosofia. Se ganhasse 1 centavo por cada vez que ouvisse a palavra diversidade empregada por psicólogos, sociólogos, antropólogos, sociolinguistas e afins, já teria feito, há pelo menos um ano, Gates e Slim parecerem pobretões.

124 comentários:

  1. Esse vídeo do "psicólogo" aí é o fim da picada:
    1 - ele diz que leu as obras todas de Olavo e cita um vídeo do programa do Olavo como exemplo... sinal de que ele não leu mesmo
    2 - ele cita opiniões sobre o cotidiano dadas por Olavo para dizer que "não podemos ler Olavo" hehehe
    3 - ele realmente mistura opiniões absurdas de Olavo como a questão da Pepsi, com argumentos irrefutáveis, como o fato do nazismo ser de direita
    4 - e ainda diz que Olavo "vive em guerra". só que Olavo só usa palavras, enquanto aqueles a quem o "Jaava" apoia gostam de um bom genocídio.

    Em suma, um empulhador. Uma fraude por minuto no vídeo, no mínimo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano,

      Mete brasa e esclareça mais essas fraudes, mano, porque esse meu texto, como você deve ter visto, foi puramente irônico.

      Excluir
    2. Os olavetes ficam loucos quando aparece alguém mostrando as insanidades do velho astrônomo. Tipo esse tal Luciano Ayan, alguém que faz um blog de dar orgulho no senil, mas que no fundo nada tem a acrescentar de honesto e proveitoso em um debate digno sobre o que seria esquerda e direita hoje. Digam que é ad hominem, vamos. Escondam-se nessas máscaras pobres. Só não neguem a pobreza de vossos argumentos.

      Excluir
    3. Luciano Ayan, poste seu comentário no post do Vídeo do Jaava. É um texto curto e responde todas as idiotices que foi dita no vídeo. Eu quis copiar seu texto lá, porém excluiria a autenticidade do autor. Vai lá, manda ver, esse tipo de vídeo é um veneno para aqueles que estão começando a conhecer o conservadorismo.

      Excluir
    4. Gostaria que o Sr. Luciano Ayan me provasse que o Nazismo é de esquerda, uma vez que ele disse que isso é irrefutável. Claro, quero tudo bem documentado, com fontes, trabalhos sobre o assunto. Aguardo a resposta e, preferencialmente, sem ataques pessoais, uma vez que eu não o ofendi, apenas lancei um desafio para que se prove uma afirmação.

      Excluir
    5. Anônimo,

      Se quiser um começo, é melhor ler este post no blog dele, em que ele analisa, justamente, o PROGRAMA do Partido Nazista: http://lucianoayan.com/2012/07/15/sera-o-nazismo-de-extrema-direita-not-so-fast-junior/

      E este aqui, em que ele analisa a questão da rotulagem do nazismo como de extrema-direita à luz da Dinâmica Social: http://lucianoayan.com/2013/10/18/como-a-dinamica-social-resolve-o-problema-da-rotulagem-equivocada-de-nazismo-e-fascismo-como-regimes-de-direita/

      Excluir
    6. Desculpem-me, mas analisar o nazismo nos seus discursos nada dizem sobre seus atos. É o mesmo quando Olavo de Carvalho diz que as pessoas o julgam pelos vídeos, mas nunca leram um livro dele. A historiografia recente, dos anos 1980 para cá, aponta que é preciso ver o nazismo em ação, em suas práticas e métodos, principalmente após 1933, quando do golpe do III Reich. Portanto, analisar o discurso conforme fez o Sr. Ayan nada diz sobre a ideologia defendida. Além disso, nazismo não se define apenas pelas questões econômicas, mas em diversas outras, por isso chamado Totalitarismo. Desta forma, de nada adianta o Sr. Ayan mascarar a questão econômica do marxismo dentro de um suposto aspecto social. É preciso ver que no tange ao social, a esquerda prima pela igualdade, pelo acesso aos meios de produção, pelas possibilidades de desenvolvimento autonomo, o que não ocorria no nazismo, uma vez que as hierarquias mantinham-se e os meios de produção não foram distribuídos, mas tomados pelo Estado para serem distribuídos aos grandes proprietários - e não aos trabalhadores, menos assistidos pela luta da igualdade. Além disso, o desenvolvimento autonomo não foi garantido, pois a população foi cooptada em uma formalização de massas. Pior ainda é tentar afirmar que a "esquerda" nazista foi marxista, uma vez que Hitler negava a luta de classes em favor de uma só nação; para Marx a luta de classes seria o motor da história e ela deveria ser propagada, não negada.
      Por fim, o que sobra da esquerda no nazismo. Nada. Nem mesmo a tentativa de aproximação entre Gulags e Campos de Trabalho Forçado podem ser próximas, uma vez que no nazismo a ideia era de purificação e morte sistemática dos impuros, ao passo que no stalinismo o expurgo era aos dissidentes e contrários ao regime. Não é possível, em hipótese alguma, negar os muitos expurgos de Stalin, mas não é possível dizer que por conta disso ele deixou de ser menos à extrema-esquerda. O mesmo equivale a Hitler: sua política era sim de direita, era sim a favor da manutenção de uma certa moral em decadência, era, portanto, conservadora. Sua política era a favor das hierarquias, da meritocracia, tal qual era a direita do século XIX. Afirmar que liberdade é uma bandeira apenas da direita é uma grande mentira, pois o anarquismo também a defende e nem por isso está à direita, mas ao contrário, está à extrema-esquerda. Por fim, afirmar que o liberalismo é de direita é outra grande mentira, principalmente o liberalismo econômico. Não é preciso ir longe para saber que os liberais lutaram junto dos socialistas e dos anarquistas contra o fascismo franquista na Guerra Civil Espanhola. Hitler chegou a ser apoiado por conservadores, tais quais Franz von Papen, vice-chanceler do Estado Alemão, que via no golpe a devolução do antigo espírito alemão. O que aconteceu foi que Hitler não lhe devolveu o poder e o destituiu. Isso, no entanto, não fez com que todas as parcelas conservadoras ficassem totalmente contrárias ao Fuhrer, tendo em vista que ainda se esperava uma devolução imediata da civilização e uma luta contra a degeneração civilizatória causada pelos marxistas, comunistas, anarquistas e, até mesmo, pelos liberais. Daí, então, o porque o nazismo ser da extrema-direita: mais do que ser contrário à esquerda, combateu-se para destruir tudo que fosse entendido de esquerda à época. (continua)

      Excluir
    7. Caso o Sr. Ayan queira refutar algo, sugiro refutar os historiadores George Mosse, Zeev Sternhell, Michael Mann, Robert Paxton, Ian Kershaw, dos quais tirei as informações acima. Além disso, é só o início para melhor compreender o nazismo além dos discursos de Hitler e, principalmente, do programa do Partido. Vale a pena, também, entender o porquê Hitler e Mussolini deram uma guinada radical após o ano de 1929, centralizando o poder e adotando medidas liberais - tem tudo a ver com a crise econômica à época. Por fim, vale insistir em compreender o que é esquerda, o que ela defende, o que é marxismo e entender que marxismo não é estatismo, não é pressão e centralização estatal enquanto um ser metafísico de cima para baixo, mas seu justo inverso: de baixo para cima, do povo para o Estado; melhor dizendo, no marxismo é o povo quem irá gerir o Estado. Desta forma a defesa de que tudo que é estatista é de esquerda não se consolida, uma vez que o próprio marxismo (e também o anarquismo e outros socialismos científicos) são contra a intervenção estatal e sua regularização. Por fim, recomendo e muito a leitura de Primo Levi e todos os outros sobreviventes dos campos de concentração nazistas. Se conhecerem algum sobrevivente de Gulag e quiserem divulgar, eu muito agradeço e tenho muito interesse nisso.

      Excluir
    8. Anônimo,

      Primeiro, identifique-se. Detesto conversar com um interlocutor sem nome.

      Segundo, vamos lá, enquanto o Ayan não aparece por aqui:

      "Desculpem-me, mas analisar o nazismo nos seus discursos nada dizem sobre seus atos."

      Isto porque, é lógico, os seus atos não foram pautados pelo seu discurso. Pena que, como ex-marxista, do que eu saiba, uma prática pressupõe uma teoria assim como uma teoria pressupõe uma prática. Isso é elementar em marxismo, meu caro. Se o nazismo não foi posto em prática, só pode ser por duas razões:

      1- Porque todo sistema de pensamento é IMPOSSÍVEL de ser posto em prática perfeitamente
      2- Porque ele sofreu interferência externa dos outros sistemas.

      "É o mesmo quando Olavo de Carvalho diz que as pessoas o julgam pelos vídeos, mas nunca leram um livro dele."

      Não, não é o mesmo. Nos vídeos e nos livros, o que temos são discursos, não práxis. Não seja retardado de fazer esse tipo de igualação depois de Aristóteles ter inventado a Lógica, por favor.

      "A historiografia recente, dos anos 1980 para cá, aponta que é preciso ver o nazismo em ação, em suas práticas e métodos, principalmente após 1933, quando do golpe do III Reich. Portanto, analisar o discurso conforme fez o Sr. Ayan nada diz sobre a ideologia defendida."

      Novamente, deixe de ser analfabeto e vá estudar o básico sobre o marxismo. Toda práxis pressupõe uma teoria, assim como toda teoria pressupõe uma práxis. Isto significa que, por menos perfeita que a práxis seja, ela continua sendo fundamentada por uma teoria, o que significa que, SIM, avaliar o nazismo teoricamente é suficiente para chamá-lo de esquerda ou de direita. Mas, enfim, vamos adiante...

      "Além disso, nazismo não se define apenas pelas questões econômicas, mas em diversas outras, por isso chamado Totalitarismo. Desta forma, de nada adianta o Sr. Ayan mascarar a questão econômica do marxismo dentro de um suposto aspecto social."

      Ayan nada mascarou. E, como você mesmo disse, uma das características do nazismo era justamente o totalitarismo, no qual, por meio do cerceamento da linguagem, da alta cultura e da liberdade de expressão, se controla o pensamento da população. Onde mais teve isso mesmo? Ah, sei, na URSS de Stálin e Kruschev e na China de Mao, ambas totalitárias de esquerda.

      "É preciso ver que no tange ao social, a esquerda prima pela igualdade, pelo acesso aos meios de produção, pelas possibilidades de desenvolvimento autonomo, o que não ocorria no nazismo, uma vez que as hierarquias mantinham-se e os meios de produção não foram distribuídos, mas tomados pelo Estado para serem distribuídos aos grandes proprietários - e não aos trabalhadores, menos assistidos pela luta da igualdade."

      Não, seu animal. De qualquer forma, a esquerda em massa, a não ser a esquerda anarquista, pressupõe uma espécie de mistura entre Proletário e Estado para que este tome os meios de produção e os redistribua entre os proletários, o que não acontece nunca, visto que a burocracia, em sua sede de poder, não permite essa distribuição utópica. O principal, então, é, mesmo, o Estado, e não o povo.

      Quanto ao desenvolvimento autônomo, isso requer voluntarismo, algo que a esquerda não tem como característica aceitar, posto que, em governos de esquerda, o que se faz é usar a máquina estatal, cada vez mais inchada, para coibir o cidadão a cada vez mais fazer tudo pelo Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado.

      Excluir
    9. " Além disso, o desenvolvimento autonomo não foi garantido, pois a população foi cooptada em uma formalização de massas."

      O desenvolvimento AUTÔNOMO não foi garantido justamente porque é autônomo e pode atrapalhar os interesses do ESTADO, que, nas teorizações de esquerda não-anarquista, só pode ser inchado.

      "Pior ainda é tentar afirmar que a "esquerda" nazista foi marxista, uma vez que Hitler negava a luta de classes em favor de uma só nação; para Marx a luta de classes seria o motor da história e ela deveria ser propagada, não negada."

      Tolo, como se, no Nazismo, o motor da história não fosse a luta de Raças, igualmente dialética, igualmente histórica e igualmente materialista, entre Arianos e Não-arianos.

      "Por fim, o que sobra da esquerda no nazismo. Nada. Nem mesmo a tentativa de aproximação entre Gulags e Campos de Trabalho Forçado podem ser próximas, uma vez que no nazismo a ideia era de purificação e morte sistemática dos impuros, ao passo que no stalinismo o expurgo era aos dissidentes e contrários ao regime."

      E com esses expurgos se faria o quê? Bingo, o regime seria purificado dos "atrasados", "retrógrados" e "reacionários".

      "Não é possível, em hipótese alguma, negar os muitos expurgos de Stalin, mas não é possível dizer que por conta disso ele deixou de ser menos à extrema-esquerda."

      Só faltava você fazer isso mesmo.

      "O mesmo equivale a Hitler: sua política era sim de direita, era sim a favor da manutenção de uma certa moral em decadência, era, portanto, conservadora."

      HEIN? Desde quando todo direitista é conservador, seu imbecil? Véi, cê tá de brincadeira, né?

      " Sua política era a favor das hierarquias, da meritocracia, tal qual era a direita do século XIX."

      Ora, se ser de direita é ser a favor das hierarquias, então Stálin era de extrema-direita, assim como absolutamente todos os membros da burocracia soviética, meu saco.

      E, meritocracia? Na real, você sabe o que é meritocracia ou só deu orelhada de Wikipédia? Meritocracia pressupõe um grau de liberdade bem maior que no Totalitarismo, ora porra.

      "Afirmar que liberdade é uma bandeira apenas da direita é uma grande mentira, pois o anarquismo também a defende e nem por isso está à direita, mas ao contrário, está à extrema-esquerda."

      O que o anarquismo defende é uma utopia sem noção em que, magicamente, as pessoas deixarão de lado todos os seus defeitos e passarão a um grau de coletivismo impossível de ser alcançado por seres humanos. Anarquismo não tem nem de entrar na discussão, mas, já que você quis incluí-lo, diga-me: Que liberdade e que voluntarismo (importante para a direita) havia no Nazismo?

      "Por fim, afirmar que o liberalismo é de direita é outra grande mentira, principalmente o liberalismo econômico."

      O liberalismo tenta fazer o "mundo melhor"? Ah é, não, né?

      "Não é preciso ir longe para saber que os liberais lutaram junto dos socialistas e dos anarquistas contra o fascismo franquista na Guerra Civil Espanhola."

      Isso porque tinham um inimigo em comum. Porra, nunca ouviu falar em "o inimigo do meu inimigo é meu amigo"?

      "Hitler chegou a ser apoiado por conservadores, tais quais Franz von Papen, vice-chanceler do Estado Alemão, que via no golpe a devolução do antigo espírito alemão. O que aconteceu foi que Hitler não lhe devolveu o poder e o destituiu."

      Não, seu animal, Hitler foi apoiado por ALGUNS conservadores, que não representam o todo. Aliás, quem está dizendo que Franz era conservador é você. Prove isso.

      Excluir
    10. "O que aconteceu foi que Hitler não lhe devolveu o poder e o destituiu. Isso, no entanto, não fez com que todas as parcelas conservadoras ficassem totalmente contrárias ao Fuhrer, tendo em vista que ainda se esperava uma devolução imediata da civilização e uma luta contra a degeneração civilizatória causada pelos marxistas, comunistas, anarquistas e, até mesmo, pelos liberais. Daí, então, o porque o nazismo ser da extrema-direita: mais do que ser contrário à esquerda, combateu-se para destruir tudo que fosse entendido de esquerda à época. (continua)"

      Ou seja, Hitler é de direita porque quis destruir toda a esquerda que não fosse a sua assim como Stalin é de direita porque quis destruir, na URSS, todas as esquerdas fora a sua. Genial, cara. Dez mesmo.

      "Caso o Sr. Ayan queira refutar algo, sugiro refutar os historiadores George Mosse, Zeev Sternhell, Michael Mann, Robert Paxton, Ian Kershaw, dos quais tirei as informações acima."

      Pode citar até a tua mãe, porque não funciona. Vá usar argumentum ad verecundiam na casa do chapéu.

      "Além disso, é só o início para melhor compreender o nazismo além dos discursos de Hitler e, principalmente, do programa do Partido."

      Antes, sem orelhada de Google, entenda a associação entre práxis e teoria, ok?

      "Vale a pena, também, entender o porquê Hitler e Mussolini deram uma guinada radical após o ano de 1929, centralizando o poder e adotando medidas liberais - tem tudo a ver com a crise econômica à época."

      Medidas liberais tipo CENTRALIZAR O MERCADO NAS MÃOS DO PARTIDÃO? Cara, puta que pariu, véi.

      "Por fim, vale insistir em compreender o que é esquerda, o que ela defende, o que é marxismo e entender que marxismo não é estatismo, não é pressão e centralização estatal enquanto um ser metafísico de cima para baixo, mas seu justo inverso: de baixo para cima, do povo para o Estado; melhor dizendo, no marxismo é o povo quem irá gerir o Estado."

      E no Papai Noel, você acredita? Isso daí é enrolação da esquerda para nego contribuir com a burocracia. Não teve nada de povo em Stalin, Mao, Pol Pot et caterva. Pare de ser cretino.

      "Desta forma a defesa de que tudo que é estatista é de esquerda não se consolida, uma vez que o próprio marxismo (e também o anarquismo e outros socialismos científicos) são contra a intervenção estatal e sua regularização."

      O Marxismo é favorável ao uso do Estado para se chegar ao último estágio revolucionário, sua besta. Se quer usar o Estado, quer usá-lo para regularizar algo, mesmo que provisoriamente.

      "Por fim, recomendo e muito a leitura de Primo Levi e todos os outros sobreviventes dos campos de concentração nazistas. Se conhecerem algum sobrevivente de Gulag e quiserem divulgar, eu muito agradeço e tenho muito interesse nisso."

      A parte histórica eu deixo com quem quiser interferir, pois não conheço depoimentos de sobreviventes de Gulags.

      Excluir
    11. Meus parabéns. Pedi sem ataques pessoais, sem quaisquer tipos de ataques e o que leio é muito mais histerismo que resposta. No mais, a bibliografia está indicada. Me acuse da falácia que quiser, eu lhe acuso apenas de ignorância e falta de caráter em reconhecer que alguém conhece estudos sérios para desmascarar suas mentiras. Só entrarei no debate com meu nome e minha identidade quando os demais interlocutores souberem debater: sem ofensas e ao ler os textos que propus.
      Para dar o ar da graça, responderei uma das primeiras acusações, apenas, porque ela me deu pena: Hitler quis, sim, destruir toda a esquerda. Stalin, porém, não. Stalin perseguiu nunca perseguiu a esquerda, apenas dissidentes, traidores e desertores do processo revolucionário. Em nenhum momento ele tinha um plano de destruição da esquerda, tal qual tinha Hitler.

      P.S.: não conheço um historiador sério que afirme que o nazismo foi de esquerda. Espero que vocês conheçam um, com bibliografia completa, para elencar seus discursos. Aliás, Luciano Ayan tem alguma formação histórica? Não quero ir naquelas falácias não sei das quantas, mas sou formado em história, tenho alguns anos de pesquisa no assunto e só leio em blogs de adolescentes que nazismo é de esquerda.
      P.S.2: conheço o administrador do blog. Ele costumava entrar em algumas páginas de esquerda para escorrer erros históricos e historiográficos grotescos. Chegou certa vez a admitir que não gostava de Mises e tinha em sua em sua foto de capa uma imagenzinha do próprio Mises. Mais desonesto impossível. Sem contar que tem uma fotinha linda do Goku no perfil. Pode gritar aos 4 cantos que isso aqui foi um ad hominem, não nego. Ainda assim foi mais honesto que sua tentativa de desqualificar meus argumentos me ofendendo com palavras como "animal".
      P.S.3: nunca é demais recomendar aos olavetes estudarem além do mínimo para ser um idiota. É importante que se tenha uma contra-argumentação sistemática, que ataque o ponto central da tese do oponente, não esse ataque histérico ponto por ponto para mais ofender que apresentar ideias. Isso é um debate, meu caro. O que você faz é só mais uma prova do quão fascista você pode ser. Sim, o fascismo é de direita, extrema-direita e você não me apresentou argumentos convincentes para que ele não o seja. Melhor sorte da próxima vez. E, por favor, cite suas fontes, não dá para debater com "achismos" e "ouvi falar que".

      Excluir
    12. Ah, sim, essa tal falácia que fui acusado é por se utilizar de autoridade. Pensava eu que qualquer debate racional partia-se de ideias, fontes, documentação e, atualmente, bibliografia. Não sabia que era por achismos, desculpem-me pela ignorância. Da próxima vez eu vejo pelos astros o quanto o nazismo era de esquerda. Mas eu quero vê-los dançar um pouquinho minha dança, então mãos à obra: façam as leituras e apresentem-se ideias contrárias aos autores; apresentem-me, também, autores sérios e consolidados (não o Olavo de Carvalho, né) que apontem que o nazismo é de esquerda. Boa leitura, rapazes. Aguardo respostas sérias, sensatas e sem ataques pessoais, fui claro?

      Excluir
    13. "Meus parabéns. Pedi sem ataques pessoais, sem quaisquer tipos de ataques e o que leio é muito mais histerismo que resposta. No mais, a bibliografia está indicada."

      Xinguei-o porque mereceu. E a primeira resposta, do Ayan, não teve ataque pessoal nenhum. Foi sua inépcia que me fez atacá-lo. Paciência tem limites.

      " Me acuse da falácia que quiser, eu lhe acuso apenas de ignorância e falta de caráter em reconhecer que alguém conhece estudos sérios para desmascarar suas mentiras. Só entrarei no debate com meu nome e minha identidade quando os demais interlocutores souberem debater: sem ofensas e ao ler os textos que propus."

      Você não propôs texto nenhum, vagabundo. Jogou apenas nomes ao ar. Tome vergonha na cara.

      "Para dar o ar da graça, responderei uma das primeiras acusações, apenas, porque ela me deu pena: Hitler quis, sim, destruir toda a esquerda. Stalin, porém, não. Stalin perseguiu nunca perseguiu a esquerda, apenas dissidentes, traidores e desertores do processo revolucionário"

      Ah, sei, tipo TROTSKY? Nossa, cara, que deserção a dele, não?

      "Em nenhum momento ele tinha um plano de destruição da esquerda, tal qual tinha Hitler."

      Você não prestou a devida atenção ao que leu.

      "P.S.: não conheço um historiador sério que afirme que o nazismo foi de esquerda."

      Argumentum ad ignorantiam.

      "Aliás, Luciano Ayan tem alguma formação histórica? Não quero ir naquelas falácias não sei das quantas, mas sou formado em história, tenho alguns anos de pesquisa no assunto e só leio em blogs de adolescentes que nazismo é de esquerda."

      E ter formação agora virou documento, seu desonesto de bosta? Porra, depois o Olavo diz que nego só olha para o diploma e não para o saber no Brasil e ele que é o "velho astrólogo maluco".

      "conheço o administrador do blog. Ele costumava entrar em algumas páginas de esquerda para escorrer erros históricos e historiográficos grotescos. Chegou certa vez a admitir que não gostava de Mises e tinha em sua em sua foto de capa uma imagenzinha do próprio Mises. Mais desonesto impossível"

      A imagem do Mises é fruto de uma zoação com amigos libertários, nada mais. E disse "não gostar" porque não conheço a obra de Mises, porra. Como vou gostar do que não conheço? Economia não me interessa o mínimo.

      " Pode gritar aos 4 cantos que isso aqui foi um ad hominem, não nego. Ainda assim foi mais honesto que sua tentativa de desqualificar meus argumentos me ofendendo com palavras como "animal"."

      Desqualifiquei teus argumentos pela lógica. O "animal" foi apenas vocativo, não ponto central da minha contra-argumentação.

      E ad hominem, caso não saiba, só ocorre quando você usa uma característica do oponente para invalidar toda a sua argumentação. Xingá-lo não é ad hominem.

      "nunca é demais recomendar aos olavetes estudarem além do mínimo para ser um idiota."

      Serve "Parerga und Paralipomena" de Schopenhauer? E "Além do Bem e do Mal", de Nietzsche, também serve? Acho que não, né? Esses dois devem, na sua opinião, ser dois "conservadores" ou coisa assim.

      "É importante que se tenha uma contra-argumentação sistemática, que ataque o ponto central da tese do oponente, não esse ataque histérico ponto por ponto para mais ofender que apresentar ideias."

      Você não tem a mínima noção do que é histeria.

      "O que você faz é só mais uma prova do quão fascista você pode ser. "

      Fascismo seria eu moderar teu comentário e negar sua entrada por motivos pouco razoáveis. Não faço isso. Contra-argumento contra todos os que vêm aqui argumentar. Qualquer leitor meu é prova disso.

      "Sim, o fascismo é de direita, extrema-direita e você não me apresentou argumentos convincentes para que ele não o seja. Melhor sorte da próxima vez."

      Pombo enxadrista. Patético.

      "E, por favor, cite suas fontes, não dá para debater com "achismos" e "ouvi falar que"."

      Não usei nenhum "ouvi falar que".

      Excluir
    14. "Ah, sim, essa tal falácia que fui acusado é por se utilizar de autoridade. Pensava eu que qualquer debate racional partia-se de ideias, fontes, documentação e, atualmente, bibliografia."

      Partir de bibliografia é uma coisa, usar bibliografia como você usa (ou seja, como algo irrefutável e impossível de desafiar) é outra.

      "Não sabia que era por achismos, desculpem-me pela ignorância. Da próxima vez eu vejo pelos astros o quanto o nazismo era de esquerda. "

      Não acredito em astrologia. Não adianta vir com esse truque para cima de mim.

      "Mas eu quero vê-los dançar um pouquinho minha dança, então mãos à obra: façam as leituras e apresentem-se ideias contrárias aos autores; apresentem-me, também, autores sérios e consolidados (não o Olavo de Carvalho, né) que apontem que o nazismo é de esquerda. Boa leitura, rapazes. Aguardo respostas sérias, sensatas e sem ataques pessoais, fui claro?"

      Falar educadamente com um sujeito como você, parafraseando o Olavo, é como falar com uma árvore ou com uma porta. Quer entender o porquê de eu desprezar as tuas fontes? Vá ler "A Ordem do Discurso". Sabe de quem é? Do esquerdista Foucault. Ou será que Foucault era "de extrema-direita" e eu não sabia?

      Excluir
    15. Stalin tinha um plano de destruir a esquerda matando Trotsky? Ah, cara, qual é, por favor, seja mais coerente, assim eu só consigo rir e não ver sentido nenhum.

      Você quer textos: Michael Mann. Fascistas.
      Stanley Payne. A history of Fascism.
      Robert Paxton. A Anatomia do Fascismo
      Zeev Sternhell. Fascism Ideology
      George Mosse. Nazi Culture
      Ian Kershaw. Hitler.

      Pronto, taí o básico. Boa leitura. E, por favor, cite os autores de onde você tirou as afirmações ao invés de ficar nesse ataquezinho histérico ponto por ponto. Agradeço.

      Excluir
    16. Ah sim, li A ordem do discurso, do Foucault. Aula inaugural boa dele, eu queria estar lá. Foi leitura básica para minha prova de mestrado. Devorei em poucas horas. Certamente, o que ele diz enquadra-se muito bem em você, ao se esconder em argumentações vazias como "Isto porque, é lógico, os seus atos não foram pautados pelo seu discurso. Pena que, como ex-marxista, do que eu saiba, uma prática pressupõe uma teoria assim como uma teoria pressupõe uma prática. Isso é elementar em marxismo, meu caro. Se o nazismo não foi posto em prática, só pode ser por duas razões" quando aqui você diz que se o nazismo tivesse sido posto em prática seria uma análise e depois diz que a partir do discurso é possível afirmar o espectro ideológico. Todas essas variações seriam a tentativa de desqualificar meu argumento, tornando-o marginal e, até mesmo, próximo da loucura. Tudo bem. Eu quero ver é você conseguir provar suas afirmações de forma sistemática e bem pautada historiograficamente. Boa sorte.

      Excluir
    17. "Stalin tinha um plano de destruir a esquerda matando Trotsky? Ah, cara, qual é, por favor, seja mais coerente, assim eu só consigo rir e não ver sentido nenhum."

      Não, Stalin tinha um plano de matar toda a esquerda que não se aliasse a ele. Releia o que escrevi.

      "Você quer textos: Michael Mann. Fascistas.
      Stanley Payne. A history of Fascism.
      Robert Paxton. A Anatomia do Fascismo
      Zeev Sternhell. Fascism Ideology
      George Mosse. Nazi Culture
      Ian Kershaw. Hitler.

      Pronto, taí o básico. Boa leitura. E, por favor, cite os autores de onde você tirou as afirmações ao invés de ficar nesse ataquezinho histérico ponto por ponto. Agradeço."

      Finalmente citou alguém. Quer outras citações? Parta daqui e boa leitura: http://meuprofessordehistoriamentiupramim.blogspot.com.br/2013/10/a-esquerda-brasileira-treme-diante-da_22.html

      "Ah sim, li A ordem do discurso, do Foucault. Aula inaugural boa dele, eu queria estar lá. Foi leitura básica para minha prova de mestrado. Devorei em poucas horas. Certamente, o que ele diz enquadra-se muito bem em você, ao se esconder em argumentações vazias como "Isto porque, é lógico, os seus atos não foram pautados pelo seu discurso. Pena que, como ex-marxista, do que eu saiba, uma prática pressupõe uma teoria assim como uma teoria pressupõe uma prática. Isso é elementar em marxismo, meu caro. Se o nazismo não foi posto em prática, só pode ser por duas razões" quando aqui você diz que se o nazismo tivesse sido posto em prática seria uma análise e depois diz que a partir do discurso é possível afirmar o espectro ideológico. Todas essas variações seriam a tentativa de desqualificar meu argumento, tornando-o marginal e, até mesmo, próximo da loucura. Tudo bem. Eu quero ver é você conseguir provar suas afirmações de forma sistemática e bem pautada historiograficamente. Boa sorte."

      Se você leu, não entendeu porra nenhuma. Aliás, vou te ajudar, vamos pensar: O que Foucault diz mesmo (e que está neste post) sobre o discurso dos cientistas (e incluo os historiadores aqui apenas para fins de discussão, pois não creio que ciências humanas sejam ciências de fato)? Pois é, cara, bingo.

      O que você não está entendendo aqui é que a minha questão com essa definição não é historiográfica, é filosófica.

      Excluir
    18. Meu caro,

      você é uma comédia, desculpe-me pela ofensa. Você cita o site "meuprofessordehistóriamentiuparamim", um site reacionário, extramente conservador e que ataca professores de história, sendo administrado por 3 pseudo algo que não tem formação alguma em história. Não digo que ter formação é fundamental, mas é mínimo, o início para um debate em determinada área.

      No mais, afirmar que Stalin tinha um plano de matar a esquerda que não se aliasse a ele só significa que ele não "traiu o movimento", ou seja, não deixou de ser de esquerda e, mais do que isso, não tinha plano algum de destruir a esquerda, tal qual tinha Hitler - estou me sentindo um papagaio de pirata.

      No mais, por favor, coloque autores que você leu, não que você pegou em um blog qualquer da internet. Sabe, para um estudante de letras não pega muito bem, dá a impressão que você faltou umas aulinhas de metodologia de pesquisa.

      Ah, sim, sobre o que Foucault disse dos cientistas, grosso modo, é que eles produzem um discurso que dá ar de verdade. Por isso estou lhe propondo você me apresentar outras fontes que demonstrem que o nazismo é de esquerda, para não parecer com um certo ar de verdade da minha parte. Mas torno a repetir, em 6 anos de pesquisa, nunca li um autor sequer que fazia tal afirmação. Se você me apresentar, terei muito prazer em ler.
      Você precisa me apresentar uma versão historiográfica. Nada vejo de filosofia em seu discurso. Só histerismo para tentar demonstrar irracionalidade da minha parte. Mas note que na primeira refutação que você fez, lá no começo, você contradiz tudo que afirmou até aqui. Tem certeza que é filosófico? Pensava eu que filosófico seria uma sistematização racional, com introdução, apresentação das hipóteses, defesa das hipóteses, apresentação da tese central defesa da tese central e considerações final. Tudo que vi aqui foi um ataque banal, ponto por ponto, sem, sequer, uma linha de raciocínio, com vias de terminar o debate enquanto um pombo enxadrista. Tem certeza que é filosófico? Eu acredito que não, hein. Nem filosófico, nem poético, nem historiográfico, nem literário, nem nada: puro achismo; até astrologia tem mais quê de verdade que suas vazias afirmações.

      Excluir
    19. Aliás, se eu entendi bem Foucault, seu discurso é uma tentativa de produção de verdade - ainda que não seja pautado cientificamente. De tal forma que você tenta me convencer que estou errado e que devo sair do debate, apenas porque acredita que me refutou em seus ataques histéricos e constantes ofensas. Bacana; só não me apresentou um motivo para eu desistir; sequer apresentou um motivo que prove, viavelmente, que o nazismo foi de esquerda. No mais, fica no puro achismo, tão caro à direita mais tacanha e cínica atual. Foucault tinha razão, algumas pessoas produzem discursos para legitimar seu espaço e criar uma certa veracidade. Só não pensava eu que um dia alguém iria usa-lo enquanto teoria de pombo enxadrista. Pobre Foucault, tão lido e tão mal interpretado.

      Excluir
    20. "Meu caro,

      você é uma comédia, desculpe-me pela ofensa. Você cita o site "meuprofessordehistóriamentiuparamim", um site reacionário, extramente conservador e que ataca professores de história, sendo administrado por 3 pseudo algo que não tem formação alguma em história. Não digo que ter formação é fundamental, mas é mínimo, o início para um debate em determinada área."

      Vamos lá, anônimo-que-não-quer-revelar-o-nome-eu-não-sei-porque:

      Primeiro, o site ser reacionário, conservador, direitista, republicano, monarquista ou o escambau-a-quatro é irrelevante, pois não é pela preferência política de uma fonte isolada que se vai demeritá-la, mas sim pelos argumentos que mostra. Esse tipo de ad hominem barato, vindo de uma pessoa "com tantos anos no mercado", me surpreende... ah, não, não me surpreende não, esqueci que, para vocês, diploma é sagrado e torna o profissional absolutamente inquestionável pelos "não-iniciados". Desculpe, não me esquecerei desse detalhe na próxima vez.

      "No mais, afirmar que Stalin tinha um plano de matar a esquerda que não se aliasse a ele só significa que ele não "traiu o movimento", ou seja, não deixou de ser de esquerda e, mais do que isso, não tinha plano algum de destruir a esquerda, tal qual tinha Hitler - estou me sentindo um papagaio de pirata."

      Você ainda não pegou o meu ponto, ou está se fingindo de burro. Hitler queria sim acabar com a esquerda... que não fosse a sua. Entendeu agora, rapazola?

      "No mais, por favor, coloque autores que você leu, não que você pegou em um blog qualquer da internet. Sabe, para um estudante de letras não pega muito bem, dá a impressão que você faltou umas aulinhas de metodologia de pesquisa."

      Na verdade, em Letras não se costuma aprender metodologia de pesquisa. Aprende-se qualquer bizarrice inútil, mas a metodologia de pesquisa só se aprende pesquisando. E outra, o site ali tem dois livros, ou será que estes não são boas fontes? Se não são suficientes, aqui vão outras: http://www.olavodecarvalho.org/convidados/0098.htm
      http://www.olavodecarvalho.org/semana/081211dc.html

      E não demerite o autor antes de ler, animal.

      "Ah, sim, sobre o que Foucault disse dos cientistas, grosso modo, é que eles produzem um discurso que dá ar de verdade. Por isso estou lhe propondo você me apresentar outras fontes que demonstrem que o nazismo é de esquerda, para não parecer com um certo ar de verdade da minha parte."

      Ele disse, também, outra coisa muito importante. Dica: Tem a ver com os seus anos de pesquisa. Pense, anônimo, pense.

      "Nada vejo de filosofia em seu discurso. Só histerismo para tentar demonstrar irracionalidade da minha parte. "

      De novo, você não sabe o que é histerismo. Porra, aliás, se formos considerar que tudo o que é histérico não é filosófico, não sobraria pedra sobre pedra. Se pá só os clássicos sobrariam.

      "Pensava eu que filosófico seria uma sistematização racional, com introdução, apresentação das hipóteses, defesa das hipóteses, apresentação da tese central defesa da tese central e considerações final."

      Aqui apenas rebato suas afirmações. Não estou propondo uma tese minha.

      "Tudo que vi aqui foi um ataque banal, ponto por ponto, sem, sequer, uma linha de raciocínio, com vias de terminar o debate enquanto um pombo enxadrista. Tem certeza que é filosófico? Eu acredito que não, hein. Nem filosófico, nem poético, nem historiográfico, nem literário, nem nada: puro achismo; até astrologia tem mais quê de verdade que suas vazias afirmações."

      Obrigado pela frase de efeito no fim, mas não funciona comigo. Btw, tu manja que discurso poético e literário não é a deste blog, né? E minhas premissas são bem claras: Não dá para chamar de direita algo que seja revolucionário, anti-voluntarista e que despreze as instituições sociais vigentes de tal modo que queira mudá-las a todo custo. Se não percebeu isto, deve ter lido apenas este post no meu blog, que sequer é de direita (aliás, quero é que a direita e a esquerda se lasquem, isso sim).

      Excluir
    21. "Aliás, se eu entendi bem Foucault, seu discurso é uma tentativa de produção de verdade - ainda que não seja pautado cientificamente. De tal forma que você tenta me convencer que estou errado e que devo sair do debate, apenas porque acredita que me refutou em seus ataques histéricos e constantes ofensas."

      Fora a besteira sobre histeria, você está chegando perto do ponto que eu quero sobre Foucault. Vamos lá, anônimo-que-não-revela-o-nome-eu-não-sei-porque, pense mais um pouco. Puxe pela memória o que leu.

      Excluir
    22. "E minhas premissas são bem claras: Não dá para chamar de direita algo que seja revolucionário, anti-voluntarista e que despreze as instituições sociais vigentes de tal modo que queira mudá-las a todo custo. Se não percebeu isto, deve ter lido apenas este post no meu blog, que sequer é de direita"


      Muito obrigado, você acabou de me demonstrar de onde tirou suas afirmações: de suas premissas, de você mesmo, de seus achismos. Hitler era de esquerda porque queria destruir toda a esquerda que não fosse ele...fonte? Nenhuma, só ele mesmo, o rei da refutação e da argumentação: Octávio Goku Henrique. Não precisa ler a bibliografia que indiquei, não. Com sua iconoclastia ao citar Foucault a ciência está mais que provada que não serve para nada. O que serve é "minha premissa". Então, pois bem, acho que não tenho como vencer isso. E se não tenho, você venceu. Pegue o tabuleiro e vá para casa, contar para a mamãe. Vou rasgar todos meus livros e citar apenas você em meus trabalhos agora.

      Parabéns Octávio-lindo-tesão-bonito-gostosão-Henrique-Miseseuteamomasnego, você é genial.


      P.S.: e aí, de acordo com suas premissas o Fluminense devia cair para a série B. Eu acho que sim, vi nas estrelas.
      P.S.2: é sempre bom debater contigo, rende boas risadas. Se quiser, entre mais na página Meu Professor de História para trocarmos umas ideias. Parece-me que foi desbloqueado. Seu malabarismo é ótimo. Agora essa tal de suas premissas, então, é diversão garantida.
      P.S.3: que comece o mimimi =D
      P.S.4: favor citar um autor que afirme que o nazismo é de esquerda.

      Excluir
    23. "Muito obrigado, você acabou de me demonstrar de onde tirou suas afirmações: de suas premissas, de você mesmo, de seus achismos. Hitler era de esquerda porque queria destruir toda a esquerda que não fosse ele...fonte? Nenhuma, só ele mesmo, o rei da refutação e da argumentação: Octávio Goku Henrique"

      Não tem achismo nenhum. É análise pura e simples. Porra, véi, tu vens aqui falar que Hitler adotou medidas liberais (o que quer que isto seja para você) enquanto CENTRALIZAVA O PODER e ainda quer, como se diz?, respeito?

      "Não precisa ler a bibliografia que indiquei, não. Com sua iconoclastia ao citar Foucault a ciência está mais que provada que não serve para nada."

      Velho, você leu o post em que comentou?

      "P.S.: e aí, de acordo com suas premissas o Fluminense devia cair para a série B. Eu acho que sim, vi nas estrelas."

      Aí é de acordo com premissas da justiça, que, mesmo dentro de um sistema cheio de dogmas, podem ser contestadas com outras premissas. É, cara, cê tá muito mal de serviço.

      "P.S.2: é sempre bom debater contigo, rende boas risadas. Se quiser, entre mais na página Meu Professor de História para trocarmos umas ideias. Parece-me que foi desbloqueado. Seu malabarismo é ótimo. Agora essa tal de suas premissas, então, é diversão garantida."

      Ah, foi de lá então? Percebi. Fui desbloqueado, mas pedi para ser bloqueado de novo. Então, no deal.

      "P.S.4: favor citar um autor que afirme que o nazismo é de esquerda. "

      Alain Besançon.

      Excluir
    24. Em nenhum momento eu disse que Hitler adotou medidas liberais. Muito pelo contrário, eu disse que ele adotou medidas anti-liberais, por conta da crise agravada em 1929 - daí o convite a melhor conhecer o contexto. O que eu disse é que liberalismo não é sinônimo de direita política, tendo em vista os desdobramentos das décadas de 1930 e 1940. Suas análises puras e simples não se pautam em um autor sequer, em uma fonte primária sequer, em um testemunho sequer, em um aspecto sequer. Como um estudante universitário você minimamente deve conhecer o nome disso: achismo, puro e simples.


      Ademais, Alain Besançon não afirmou e não definiu o nazismo enquanto de esquerda, ele apenas aproximou o fascismo ao stalinismo. Tal qual fez, também, Hannah Arendt e Isaac Deutscher. Os textos são polêmicos, datados e valem um bom e rico debate. Sou apaixonado por Hannah Arendt e ainda assim encontro sérios problemas no texto dela. Por isso que autores recentes como Domenico Losurdo e Zizek discutem muito o assunto, dando leves cutucadas em Hannah Arendt e Besançon. Imagino que você certamente fez uma pesquisa rápida (daquela que você afirmou "de orelha") no google, achou um artigo do Olavo de Carvalho, que eu já li, vi no blog do meu professor de história mentiu para mim e veio aqui citar como se eu não tivesse lido e não conhecesse o autor. Lamento. Tente evoluir, tente superar seus medos e, acima de tudo, tente entender melhor o debate ao invés de repetir mantras do fracasso.

      Mas, enfim, enquanto não sai algo realmente sério e honesto de sua parte, algo pautado historiograficamente, algo sólido, eu fico com suas "premissas" e sua iconoclastia filosófica foucaultiana. Ainda é melhor que nada e você até que se esforça. Pena conhecer tão pouco para sustentar suas "premissas" - aliás, vou repetir, hein: o debate diferencial entre esquerda e direita está sobre a questão da igualdade, em seus vários aspectos; portanto, liberalismo, tanto político quanto econômico, não é suficiente para definir a direita. Leitura básica, simples, rápida e indolor: Norberto Bobbio, dicionário de política, verbete sobre a esquerda e sobre a direita. Boa leitura. Bons estudos.

      Excluir
    25. Aliás, o livro do Besançon é excelente. Foi um daqueles não panfletários que me afastou ainda mais do comunismo e me fez pensar em muitas questões do stalinismo e da tentativa de socialismo ao longo do século XX. É fundamental. Vale a leitura de cada página.

      Excluir
    26. "Em nenhum momento eu disse que Hitler adotou medidas liberais. Muito pelo contrário, eu disse que ele adotou medidas anti-liberais, por conta da crise agravada em 1929 - daí o convite a melhor conhecer o contexto. "

      " Vale a pena, também, entender o porquê Hitler e Mussolini deram uma guinada radical após o ano de 1929, centralizando o poder e adotando medidas LIBERAIS - tem tudo a ver com a crise econômica à época."

      Velho, tu é uma contradição ambulante. E outra, não existe apenas o liberal e o antiliberal. Keynes não era totalmente antiliberal, quem era era justamente quem na época? Bingo, cara.

      "Ademais, Alain Besançon não afirmou e não definiu o nazismo enquanto de esquerda, ele apenas aproximou o fascismo ao stalinismo"

      E o stalinismo era o que, retardado? Extrema-direita?

      "o debate diferencial entre esquerda e direita está sobre a questão da igualdade, em seus vários aspectos; portanto, liberalismo, tanto político quanto econômico, não é suficiente para definir a direita. Leitura básica, simples, rápida e indolor: Norberto Bobbio, dicionário de política, verbete sobre a esquerda e sobre a direita. Boa leitura. Bons estudos"

      Não, animal. A diferença entre esquerda e direita está no grau de voluntariedade que cada uma demanda. Esquerda não tem porra nenhuma a ver com igualdade pura e simples. Esquerda tem a ver com obrigatoriedade, com coerção.

      E Bobbio? HAHAHAHAHAHAHA. Vocês usam Bobbio porque ele, apesar de se dizer "terceira-via", colocou o pêndulo totalmente favorável à esquerda nesse sentido.

      Sério, agora parei. Sem dúvida falo com um diplomólatra imbecil. Se a análise do Ayan não te foi suficiente e se saber que economia dirigista NÃO É de direita também não, então eu não tenho mais o que fazer contigo. Saia da Academia. Fuja dela. Nela é que você não vai ler autores que falem que o nazismo é de esquerda mesmo, porque não está no interesse dela. Sério, você chegou a ler o post em que comentou?


      Excluir
    27. "Aliás, o livro do Besançon é excelente. Foi um daqueles não panfletários que me afastou ainda mais do comunismo "

      Te afastou do Comunismo e te fez usar vocabulário de comunista contra a direita? Pare de mentir, porra.

      Excluir
    28. "Tente evoluir, tente superar seus medos e, acima de tudo, tente entender melhor o debate ao invés de repetir mantras do fracasso."

      Porra, essa do "fracasso" é velha, brother. Tenta outra para ficar menos feio.

      Excluir
    29. BTW, sobre o Nazismo de esquerda: http://mises.org/document/6581/Leftism-From-de-Sade-and-Marx-to-Hitler-and-Marcuse

      Excluir
    30. "Esquerda tem a ver com obrigatoriedade, com coerção."
      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
      Então os anarquistas são de direita Octávio! Pois a sua resposta simples dá a entender isso! Táquepariu em!

      Excluir
    31. "Então os anarquistas são de direita Octávio! "

      Anarquistas querem que o Mercado se foda. Eis a diferença. E não sei não se Anarquismo é muito voluntarista e antirrevolucionário.

      Excluir
    32. Octávio,

      desculpe-me, mais uma vez, mas realmente não dá para debater contigo. Você sequer apresenta uma linha de raciocínio, é só uma verborragia cínica de combate às minhas colocações, expressas e fundamentadas em ofensas. Isso é desncessário, empobrece o debate e não estimula o oponente em apresentar ainda mais ideias no jogo democrático - afinal seu blog não é para isso, para o debate democrático? Como você o faz com palavras de autoritarismo e ofensas ao invés de troca e circulação de ideias?
      Novamente, lhe convido para ler tudo que aqui escrevi e encontrar um só momento que falei que Hitler adotou medidas liberais. Nunca argumentei. O que argumentei foi que Hitler adotou medidas conservadoras, de direita, apoiado pela direita e de uma luta desenfreada de destruição de esquerda. Nunca vi uma esquerda ter um plano político claro de destruir outra. Mesmo no sectarismo tão comum, isso jamais ocorreria.

      Outra dica que lhe dou, novamente, é que veja o Nazismo em ação, em práticas sociais e culturais. Não em questões econômicas, pois a economia não é capaz de explicar um espectro político - basta lembrar que liberais e anarquistas tem concepções econômicas (e não de mercado) bem próximas, mas estão em lado opostos do espectro político, atualmente.
      Na academia, principalmente na área em que estou, é que não haverá interesse em afirmar que o nazismo foi de extrema-esquerda para dar espaço para a extrema-direita ascender, outra vez, seu fascismo. Você diz que a esquerda não se pauta pela igualdade. Então vejamos: quem defende direitos iguais às minorias? A direita? Quem defende a igualdade de gênero, "raça", étnica, regional e institucional? A direita? Você olha para a esquerda e a resume como "Estado", enquanto ela tem uma prática social muito mais plural e popular e assim busca definir suas práticas políticas. Infelizmente aí você prova repetir o que o senso comum diz, visa demonizar a esquerda e reduzi-la a um espantalho.

      Por fim, você resume a direita a liberalismo. Novamente lhe convido a ver do lado de quem boa parte dos liberais ficaram durante a Segunda Guerra, sobretudo em países como Portugal, Espanha, Itália e Alemanha. Deixe de ser um pouco arrogante e autoritário; deixe de ser tão raivoso e faça um trabalho sério e honesto. Esta afirmação que o nazismo era de esquerda e a procura de evidências frágeis está sendo sustentado de poucos anos para cá e não recebe o mínimo de apoio de pesquisadores sérios.


      No mais, tenho o menor interesse de levar a frente este papo. Você não sabe o que é debate democrático. Não sabe o que é formular ideias. Só sabe o que é achaque, provocação, ofensa. Não me apresentou um autor de renome que fundamentasse suas ideias. Nem ao menos uma fonte fidedigna. Nem ao menos soube avaliar minhas afirmações. Foram refutações no melhor estilo olaviano: ofensas e mais ofensas e nenhum argumento, nenhuma solidez. Lamento, você está além do fracasso, você está dentro da cegueira. Nunca é demais recomendar: estude muito, ouça muito e seja alguém. Ou, então, fique aí com suas premissas "porque nas minhas premissas, nazismo é de esquerda porque não é liberalismo e liberalismo é de direita; então é de esquerda. Eu sou meu referencial, eu sou a fonte."

      Excluir
    33. "Isso é desncessário, empobrece o debate e não estimula o oponente em apresentar ainda mais ideias no jogo democrático - afinal seu blog não é para isso, para o debate democrático? Como você o faz com palavras de autoritarismo e ofensas ao invés de troca e circulação de ideias?"

      Palavras de autoritarismo onde, cidadão? Palavra de autoritarismo é lei que proíbe nego de ter convicção filosófica porque gay se dói com ela. Não fui autoritário, simplesmente xinguei um desonesto que não manja porra nenhuma de filosofia política e, por isso, quis ANULAR o discurso do Ayan com base, justamente, na autoridade de uma Academia totalmente esquerdista. Desculpe, quem não quer debater aqui sou eu. E guarde as suas frases de efeito para você.

      "Outra dica que lhe dou, novamente, é que veja o Nazismo em ação, em práticas sociais e culturais. Não em questões econômicas, pois a economia não é capaz de explicar um espectro político - basta lembrar que liberais e anarquistas tem concepções econômicas (e não de mercado) bem próximas, mas estão em lado opostos do espectro político, atualmente."

      Eu invoco Luciano Takaki para continuar este debate.

      Excluir
    34. "Na academia, principalmente na área em que estou, é que não haverá interesse em afirmar que o nazismo foi de extrema-esquerda para dar espaço para a extrema-direita ascender, outra vez, seu fascismo."

      Cara, vocês não têm a mínima noção do que é extrema-direita. Vocês pegam o rótulo QUE A ESQUERDA DEU e o usam na maior cara de pau. Pare de ser sem vergonha.

      "Esta afirmação que o nazismo era de esquerda e a procura de evidências frágeis está sendo sustentado de poucos anos para cá e não recebe o mínimo de apoio de pesquisadores sérios."

      Opa, então temos um impasse na Academia? Dessa eu não sabia. Favor dizer quem são "pesquisadores sérios" e, principalmente, a que ideologias eles se filiam. Aí veremos qual é sua ideia de "seriedade", porque, pelo visto, ela passa pela bobagem de que é possível dissociar teoria de práxis e práxis de teoria no Nazismo.

      Excluir
    35. "Por fim, você resume a direita a liberalismo."

      Ah, sei, tipo aqui? "HEIN? Desde quando todo direitista é conservador, seu imbecil? Véi, cê tá de brincadeira, né?"

      Se eu digo que nem todo direitista é conservador, automaticamente, suponho que haja direitistas conservadores. Isso, em lógica, se chama corolário, se bem me lembro. Ou será que precisarei da palavra dos "historiadores sérios" para falar sobre lógica também?

      "Você diz que a esquerda não se pauta pela igualdade. Então vejamos: quem defende direitos iguais às minorias? A direita? Quem defende a igualdade de gênero, "raça", étnica, regional e institucional? A direita? Você olha para a esquerda e a resume como "Estado", enquanto ela tem uma prática social muito mais plural e popular e assim busca definir suas práticas políticas."

      Quem está propondo lei que age contra "convicção filosófica"? A direita? Quem está propondo que se tire "cigano" do dicionário pois o termo, supostamente, tem origem ofensiva? A direita? Quem, em massa, apoia a bizarra cruzada neo-ateísta contra tudo que lhes cheire, como eles dizem?, "quebra do Estado Laico"? A direita?

      Por fim: Quem mede as consequências de seus atos antes de executá-los? Ah, é, é a direita, né, em especial a DIREITA CONSERVADORA.

      Putz, cara, eu posso até estar além do fracasso, mas você, pelo visto, está abaixo dele.

      Excluir
    36. Octavius, estas a discutir com idiota útil, esse anônimo ainda define a corrente política que ele defende pelo próprio discurso de auto legitimação dessa corrente: define a esquerda pela igualdade, a defesa de minorias, de excluídos, contra o racismo, e tudo mais (e quem é contre né?) Mas é incapaz de distinguir entre a bandeira de um discurso e o que esta por traz desse discurso e suas reais conseqüências. Toda essa choradeira esquerdista é muito nobre, muito bonita, mas na real a única coisa que sai daí é a concentração de poderes políticos e, consequentemente, econômicos nas mãos de um grupo de iluminados, também conhecido como Partido, que são os porta vozes dessa nova sociedade igualitária. Foi assim em todos os casos, nazismo inclusive, onde a esquerda assumiu o poder e só muita burrice ou mau caratismo para não reconhecer esse fato

      Excluir
    37. Tu vai muito longe com argumentos como esse sério.
      "Palavra de autoritarismo é lei que proíbe nego de ter convicção filosófica porque gay se dói com ela."
      Ou seja isso abre possibilidade para defessas como: "Palavra de autoritarismo é lei que proíbe nego de ter convicção filosófica (nazismo) porque judeu se dói com ela".
      Que defesa burra em!

      E nen vou argumentar que a "A academia é de esquerda" pois isso não é argumento decente. Alem de ser extremamente preconceituoso (No sentido mais primitivo da palavra).

      PARABÉNS POR ESTAR CADA DIA MAIS IDIOTA :)

      Excluir
    38. "Ou seja isso abre possibilidade para defessas como: "Palavra de autoritarismo é lei que proíbe nego de ter convicção filosófica (nazismo) porque judeu se dói com ela"."

      Não, não abre. Aristóteles inventou a Lógica por uma razão, meu rapaz.

      E "preconceituoso" é o cu da sua mãe.

      Excluir
    39. Usando o argumento AD OLAVO.
      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
      Octávio vc só não tá mais engraçado que o Monty Phyton.

      Excluir
    40. "Octávio vc só não tá mais engraçado que o Monty Phyton."

      Ainda perco para as ridicularizações patéticas da esquerdalha, meu amigo. Pena que, comigo, elas não funcionam.

      Excluir
    41. Octavio comedião, fala que o outro é burro mas não mostrou uma biografia sequer que sustente seu ponto de vista. O sujeito só deve ter lido livros do Olavo na vida... hahahaha

      Excluir
    42. Anônimo,

      Um me diz que não se pode analisar o nazismo pelo discurso (que é o fim a que eles queriam chegar) porque A ACADEMIA (como se a Academia estivesse necessariamente certa por ser a Academia) não faz assim, outro me diz que minha comparação é inválida porque os anarquistas também são anti-Estado, e você ainda quer que eu mostre "biografia" (de quem?)? Putz.

      Octavius

      Excluir
    43. E daí? Coloque as fontes em que você se baseia para chegar as suas conclusões oras. Do contrário fica evidente que você se baseia unicamente no Olavo para formar sua opinião. Cadê as fontes? Até agora nada...

      Excluir
    44. "Coloque as fontes em que você se baseia para chegar as suas conclusões oras."

      As do texto estão no texto: Schopenhauer, Nietzsche, etc.
      Ainda assim, minha opinião sobre o quê? Aborto, a cuja legalização sou favorável? Eutanásia, idem? Cotas Raciais, "tridem"? Ora, se estivesse me baseando única e exclusivamente no Olavo, já não seria favorável a esses três de jeito nenhum, Alonzo. E, além do mais, o que mais me importa não é se a esquerda está errada, mas que a esquerda seja contestada, assim como a direita é todo dia por pessoas que juram de pés juntos que vivemos em um "Capitalismo neoliberal ultraconservador de extrema-direita".

      E outra, com lixo não se gasta fonte.

      Abraços,
      Octavius

      Excluir
    45. As fontes que se questiona que você diz existirem e serem idôneas são as que fazem referência ao nazismo como um movimento de esquerda.

      Excluir
    46. O que seriam "fontes idôneas"?
      Dou uma e se virem para achar o resto: http://www.amazon.com/Leftism-Revisited-From-Sade-Hitler/dp/0895265370

      Excluir
    47. Adorei este debate. O anônimo utilizou um monte de fontes para contrabater os argumentos do adm, que, em troca, devolveu...Foucault! Um autor que apontava, claramente, que o nazismo era de extrema direita e que era preciso ações cotidianas para evitá-lo. Mais do que isso, um autor claramente de esquerda.


      Por fim, vendo a iminência da derrota, chamou o amiguinho Takaki. Só faltou chamar a mãe. Mas é um fracasso mesmo. HUEHUEHEUHEUEHUEHEUEHU

      Excluir
    48. Anônimo,

      Primeiro, o que o outro anônimo ali fez foi simplesmente desmerecer um modelo de análise do nazismo (isto é, o que analisa nada menos que o programa do Partido, ou seja, o que o Partido queria fazer mesmo) e dizer que, se um cara que não liga para a Academia não desse fontes aceitas por esta para o debate, seus argumentos não valeriam. Ou seja, simplesmente descartou o que não lhe era conveniente.

      Segundo, não falei sobre Foucault em sua face que considera o nazismo como de extrema-direita (e, sinceramente, depois de ler Hannah Arendt, começo a perceber que o que menos importa nesse debate é saber se Nazismo é de esquerda ou de direita), mas em "A Ordem do Discurso", livro em que, em duas de suas páginas, demonstra para o leitor com o caso Mendel que muito do que se crê como verdadeiro em ciência pode ser, na verdade, fruto não de investigações honestas intelectualmente, mas dos preconceitos dos cientistas, que o transferem para a disciplina enquanto viverem. A reação do anônimo à mera possibilidade de a Academia investigar sem preconceitos se o Nazismo realmente era de direita, ou se na verdade era de esquerda, e o motivo eminentemente IDEOLÓGICO que deu justificam, portanto, o uso de Foucault aqui.

      E outra, porra, não é porque sou antiesquerda que acho que todos os escritos de todos os autores da esquerda são um lixo. Se fosse assim, eu não admiraria Antonio Cândido, crítico literário e marxista (e este "e" tem razão de ser, pois, quando faz crítica literária, Cândido, oh!, não vai pela vertente marxista), nem teria gostado do próprio "A Ordem do Discurso".

      Terceiro, não, não chamei Luciano Takaki. Ele, aliás, seria a última pessoa que eu chamaria para um debate.

      Abraços,
      Octavius (ou, como você quis chamar, "adm")

      Excluir
    49. Falou, falou, falou e falou mais um pouco e não citou ninguém que afirma que nazismo é de esquerda. Só ficou no seu achismo e na sua definição. Nada, nenhum referencial para pelo menos aproximar algo.


      CARA, EU TO RINDO PRA CARALHO, LEVOU SURRA DE PICA MOLE E AINDA ACHA QUE É POMBO ENXADRISTA. Se mata, meu filho.

      Excluir
    50. Kuehnelt diz "olá", anônimo.

      http://www.amazon.com/Leftism-Revisited-From-Sade-Hitler/dp/0895265370

      Como eu disse, dou uma fonte e vocês que corram atrás de outras.

      E se você disse que "ainda acha que é pombo enxadrista", você não sabe o que é um pombo enxadrista.

      Excluir
    51. Perguntinha básica: leu o livro ou pegou referência por aqui para dar ar de entendido?



      Eu duvido que você sequer leu algo além do título. Depois fica puto quando o chamamos de pombo enxadrista.
      C-O-M-É-D-I-A

      Excluir
    52. "Eu duvido que você sequer leu algo além do título. Depois fica puto quando o chamamos de pombo enxadrista.
      C-O-M-É-D-I-A"

      Ah, então você me chamou mesmo de pombo enxadrista? O teu enunciado dava a entender outra coisa, rapaz.

      "Perguntinha básica: leu o livro ou pegou referência por aqui para dar ar de entendido?"

      Sou ex-militante de esquerda. O que acha que eu fiz?

      Excluir
    53. Se você realmente leu, por que não postou quando o anônimo pediu uma mísera e mínima referência? Acho que você não leu, não, hein. Mentir é feio.

      Novamente: C-O-M-É-D-I-A

      Excluir
    54. "Se você realmente leu, por que não postou quando o anônimo pediu uma mísera e mínima referência? Acho que você não leu, não, hein. Mentir é feio."

      Veja o meu comentário de 12 de Junho.

      Excluir
    55. A postagem do anônimo é de janeiro; você postou esta referência meses depois. E ainda paga de ex militante como credencial de fidelidade de conhecimento de causa. Na boa, você não cansa de se envergonhar, não?

      Nem leu porra nenhuma e paga de bonzão.

      Excluir
    56. "A postagem do anônimo é de janeiro; você postou esta referência meses depois."

      Pois só conheci a referência meses depois.

      "E ainda paga de ex militante como credencial de fidelidade de conhecimento de causa"

      Não pago de ex-militante. Fui de esquerda entre 2010 e 2012 e há, neste blog mesmo, textos que podem comprovar isto. Exemplo: http://adtantumargumentandum.blogspot.com.br/2011/07/ode-ao-capitalismo.html

      Excluir
    57. Conheceu e não leu. Coisa feia isso.

      Excluir
    58. Leia, anônimo, para confirmar suas impressões (ou não).

      Excluir
    59. Já li. Por isso estou certo que você nem leu. Só pegou o título da internet e posar aqui de entendido.
      Perguntar não ofende: já leu as criticas ao livro que você sugeriu? Acho que não, hein ;)

      Excluir
    60. Mostre-me, mas duvido que saiam de "fascismo!", "reacionarismo!", etc.

      Excluir
    61. Questão simples para iniciar os debates: como definir De Sade como esquerdista?

      Excluir
    62. Não sei, cara. Talvez, mas só talvez, pelo ódio a algumas instituições estabelecidas, tipo a família ocidental burguesa?

      Veja este trecho:

      "Needless to say, children should belong to the state,a demand that will always be raised by leftists who have an innate hatred for the family as an "individualistic" group that tries to separate itself as an independent cell within the state and society.

      Yet de Sade's hatred of the family also took other forms. He insisted that any society based on fraternity should make incest
      mandatory between brothers and sisters. (Interestingly enough,
      this theme recurs in the writings of Thomas Mann, a leftist of great
      literary talent.

      Promiscuity will naturally end the concept of fatherhood which rests on man's ability to identify children as his own by an act of faith and conviction, but that does not matter.
      Motherhood will survive and man has a fatherland, a patria, and this is sufficient. Just as creation-propagation loses its value, so also murder loses its horror."

      Agora, a não ser que você não restrinja direitismo a "conservar o status quo", não tem como dizer que Sade não era esquerdista.

      Parece que, pelo visto, não fui eu quem leu só o título. Alguma pergunta mais?

      Excluir
    63. E o suposto "ódio pela família burguesa" era um valor da esquerda à época de Sade? Não é um valor que a direita molda para impingir que a esquerda é contra a família, contra os valores ocidentais, contra isso e aquilo que os conservadores dizem defender?

      Não estou falando apenas do livro, estou falando das críticas e dos erros grosseiros que ele propõe. Afinal, não foi você quem disse que Olavo de Carvalho lhe fez estudar além do habitual e questionar sempre? Parece que você falhou ao ler o texto e não questionar os reais interesses do autor e, mais do que isso, nos anacronismos grotescos cometidos.
      Sade, um esquerdista avant la lettre. Tá sertissimo.

      Excluir
    64. "E o suposto "ódio pela família burguesa" era um valor da esquerda à época de Sade?"

      O que era a esquerda à época de Sade?

      "Não é um valor que a direita molda para impingir que a esquerda é contra a família, contra os valores ocidentais, contra isso e aquilo que os conservadores dizem defender?"

      Primeiro que, como um dos anônimos mesmo disse, direita não contém apenas câncervadorismo. Segundo que o valor família precede qualquer dessas duas ideologias imbecis, mas, como imbecilidade pouca é bobagem, uma dentro delas, a direita conservadora, decide defendê-lo por acreditar em besteiras do tipo "se um valor sobrevive ao teste do tempo e não é anti-natural, ele está certo."

      "Não estou falando apenas do livro, estou falando das críticas e dos erros grosseiros que ele propõe"

      Então está falando do livro.

      " Afinal, não foi você quem disse que Olavo de Carvalho lhe fez estudar além do habitual e questionar sempre?"

      Exatamente.

      "Parece que você falhou ao ler o texto e não questionar os reais interesses do autor e, mais do que isso, nos anacronismos grotescos cometidos."

      Traduzindo, o autor não pertence ao meu grupo ideológico e, portanto, deve ser desacreditado sistematicamente para que ninguém corra o risco de se corromper lendo-o. Curiosamente, sobre quem chama Cristo de socialista, nada é dito. Tá serto, fiote.

      "Sade, um esquerdista avant la lettre."

      Se, segundo a esquerda, direita é conservadorismo e conservadorismo é manter o status quo, como alguém que deseja a destruição de uma das instituições mais status quo que existem pode ser direitista? Sertíssima está essa lógica. Sdds, lojica.

      Excluir
    65. Muito obrigado. Indo ponto a ponto você demonstra o que realmente sabe: repetir falácias em cima de supostos erros meus.
      Mas não entendeu o básico da minha argumentação: muitos dos escritos precedem o que chamamos hoje de esquerda e direita. É o mesmo que dizer que os liberais do século XIX eram de direita diante da Igreja Católica e dos partidos conservadores. Hoje a direita define-se como liberal e assim promete sua posição. Isso, obviamente, se deu por conta da crescente da esquerda da segunda metade do XIX para cá.

      Curioso, também, é que você mesmo diz que conservador não é quem conserva, mas aí para definir Sade como um "esquerdista" utiliza esta definição. Das duas uma, ou é mal caráter ou é um completo mal caráter. "Se, segundo a esquerda...", fala isso quando você mesmo define e você mesmo sentencia.

      Mas tudo bem, continuemos, porque Sade nem é o foco. Agora vamos ao que importa: Hitler pode ser considerado de esquerda por pregar uma certa "revolução" na Alemanha do início dos anos 1930?


      Não, não é que o autor não esteja fora do meu "grupo ideológico". O autor é desonesto, mesmo. Um ultra conservador que acusava qualquer um que discordasse dele de comunista. É mais ou menos como faz ainda hoje a direita. Aliás, daí a alcunha que a direita é fascista: é anti-comunista até os ossos. Vai dizer o que agora? Que Hitler era, ele também, um comunista? Mussolini o grande comunista que queria acabar com o comunismo? Que Stalin tinha um plano de massacrar a esquerda e a prova disso é a perseguição e morte de Trotski, tal qual você fez em postagem anterior?


      Uma dica: construa seus argumentos por si mesmo. Não é você o "apolítico"? Por que, então, este ódio pela esquerda?

      Excluir
    66. "Muito obrigado. Indo ponto a ponto você demonstra o que realmente sabe: repetir falácias em cima de supostos erros meus."

      Supostos?

      "Curioso, também, é que você mesmo diz que conservador não é quem conserva, mas aí para definir Sade como um "esquerdista" utiliza esta definição. Das duas uma, ou é mal caráter ou é um completo mal caráter. "

      Não, quis comprovar é que essa crença de que "conservador é quem conserva", que vocês esquerdistas mantém, é inconsistente. E que, ao mesmo tempo, Sade era um revolucionário e, portanto, de direita é que não seria segundo a própria definição de vocês. Touché.

      "Mas tudo bem, continuemos, porque Sade nem é o foco. Agora vamos ao que importa: Hitler pode ser considerado de esquerda por pregar uma certa "revolução" na Alemanha do início dos anos 1930?"

      Uma certa revolução? Pegue Hannah Arendt para ler e veja o quanto o movimento nazista era "anti-revolucionário" e pare de me fazer perder meu tempo.

      "Não, não é que o autor não esteja fora do meu "grupo ideológico". O autor é desonesto, mesmo. Um ultra conservador que acusava qualquer um que discordasse dele de comunista."

      Ah, então usou o paradigma do desconstrucionismo e aprendeu com a esquerda.

      "Aliás, daí a alcunha que a direita é fascista: é anti-comunista até os ossos."

      Claro, porque até um social-democrata moderado pode ser fascista e/ou de direita por esses critérios. Ótima definição.

      "Uma dica: construa seus argumentos por si mesmo. Não é você o "apolítico"? Por que, então, este ódio pela esquerda?"

      Primeiro que, como eu disse, sou apolítico em relação ao sistema político vigente, não em relação a tudo. Quer confirmar? Vá no meu outro blog. Confirme, aliás, também, o meu ódio pela direita. O meu post mais recente te mostra isso.

      E agora pare de perder o nosso tempo. Você não quer verdade alguma. Você é só vagabundo esquerdista mesmo.

      Excluir
    67. Uia, deu voltas e não respondeu nada do que eu perguntei. Arrematou como um legítimo pombo. Não estou surpreso.

      Três breves considerações:

      1. Você considera Sade revolucionário por conta das novidades do escrito dele? Pensava eu que àquela época ser revolucionário era criticar o absolutismo e se opor a ele, ao invés de escritos de cunho erótico, algo que já vinha sendo feito há, pelo menos, uns duzentos anos antes. Esqueci que você é olavete, tudo é revolucionário - tudo é subversivo e quer destruir a grande moral cristã ocidental, a mesma que destruiu tantas outras pessoas e é o grande símbolo de nossa barbárie que chamamos de civilização.
      2. finalmente aprendeu a ler Hannah Arendt? Curioso, a pergunta que te fiz sobre Hitler ser um revolucionário estava no panfleto com alcunha de livro que você indicou. Leu mesmo? Acho que não.
      3. Social democrata anticomunista? Na acepção original, nunca vi. Só no Brasil, com um Partido que se diz social democrata é que é possível ser, ao mesmo tempo, anticomunista, como é o PSDB.


      Diferente de você, não vou terminar isso aqui como um pombo enxadrista. Perder tempo eu perdi mesmo. Não sou vagabundo esquerdista algum. Sou alguém interessado em desmascarar esses falsos defensores da liberdade. Pelo caminho encontrei um fascistoide que se diz apolítico. Não estou me pedindo para você provar o quão sábio é ou o quão politizado se pretende: apenas responda: onde se sustenta a tese do nazismo de esquerda?

      Excluir
    68. "Esqueci que você é olavete, tudo é revolucionário"

      O QUÊ? http://apoliticamenteincorreto.wordpress.com/tag/olavismo/

      "2. finalmente aprendeu a ler Hannah Arendt? Curioso, a pergunta que te fiz sobre Hitler ser um revolucionário estava no panfleto com alcunha de livro que você indicou. Leu mesmo? Acho que não."

      Só posso ficar com uma fonte?

      "3. Social democrata anticomunista? Na acepção original, nunca vi. Só no Brasil, com um Partido que se diz social democrata é que é possível ser, ao mesmo tempo, anticomunista, como é o PSDB."

      Todo mundo que deixa o comunismo é obrigatoriamente direitista agora, zé mané?

      "tudo é subversivo e quer destruir a grande moral cristã ocidental, a mesma que destruiu tantas outras pessoas e é o grande símbolo de nossa barbárie que chamamos de civilização."

      Porque, é lógico, a moral marxista só levará à felicidade eterna de expurgos, vaporizações e campos de concentração. Vigarista dos infernos.

      "Não sou vagabundo esquerdista algum. Sou alguém interessado em desmascarar esses falsos defensores da liberdade. Pelo caminho encontrei um fascistoide que se diz apolítico."

      Fascistoide? HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

      Palhaço, um fascistoide escreveria isto aqui? http://apoliticamenteincorreto.wordpress.com/2014/07/22/eu-apolitico-a-escola-sem-partido-e-a-volta-dos-conservadores-sem-prudencia/
      http://apoliticamenteincorreto.wordpress.com/2014/06/24/eu-apolitico-notas-para-a-discussao-da-criminalizacao-da-apologia-as-doutrinas-vermelhas/

      E outra, já que você gosta de "acepção original do termo", existe algo melhor para definir fascista do que alguém que quer "tudo dentro do Estado, nada contra o Estado, nada fora do Estado"? Até concordo contigo que muitos direitistas podem ser fascistas nesse sentido, mas eu nunca me disse direitista nem concordo com essa babaquice. Para mim, aliás, o Estado é nada mais que um mal necessário. Como posso ser, então, fascista?

      "Não estou me pedindo para você provar o quão sábio é ou o quão politizado se pretende: apenas responda: onde se sustenta a tese do nazismo de esquerda?"

      Na análise do discurso nazista e no fato de que, segundo vocês mesmos, não existe revolucionário de direita. Pegue Arendt para ler e me diga, então, em que Hitler NÃO foi revolucionário.

      Agora vá pastar, porque não estou mais com paciência para responder esquerdista vagabundo defensor de totalitarismo.

      Excluir
    69. Ui, ficou revoltadinho.
      Tá ok, pombo, você venceu. Isso aqui não vai levar ninguém à nada.
      Mas só para constar, nenhuma tese até hoje apresentou o nazismo como um movimento revolucionário e de esquerda. Aceita que dói menos.


      Abraço, e muito juízo para não terminar louco igual seu guru - "combustível fossil é o cu da sua mãe".

      Excluir
    70. Voltei aqui para ver o que tinha rolado e vi que o adm levou outra surra de pica mole HUEHUEHEUHEUEHUEHEUHUEHEUHEU

      SE MATA, CARA

      Excluir
    71. Veja o naipe dos sujeitos que você disse que me deram uma surra de pica mole: ""Na academia, principalmente na área em que estou, é que não haverá interesse em afirmar que o nazismo foi de extrema-esquerda para dar espaço para a extrema-direita ascender, outra vez, seu fascismo.""

      É isso que você chama de surra de pica mole?

      Btw, obrigado pelo seu comentário que em nada acrescentou à discussão. E, já que você falou em suicídio, meu caro Antônio, por que não o pratica?

      Excluir
    72. Não adianta, cara. O anônimo deu um monte de argumento e tudo que voce fez foi malabarismo com uma bibliografia que nem conhece. Pq não refuta o anonimo, então? Olavete olavosa olavando.

      Excluir
    73. Que "surra", pombo enxadrista?

      O anônimo simplesmente ignorou todas as resposta para as falácias de apelo à autoridade dele.

      Há DIVERSOS autores, principalmente autores mais antigos, que caracterizaram o nacional-socialismo como um movimento revolucionário, de esquerda e socialista.
      Se no grupinho de punhetação ideológica do anônimo não consideram, o problema é dele.

      Mais dois livros de um autor renomado:
      Erik von Kuehnelt-Leddihn - Leftism: from de Sade and Marx to Hitler and Marcuse
      Erik von Kuehnelt-Leddihn - Leftism Revisited


      Se o líder do partidão controla a economia tabelando preços, determinando o número de funcionários nas maiores indústrias, determinando salários na iniciativa privada, controlando quase totalmente a produção das indústrias e das fazendas, fazendo distribuição de renda através de programas sociais para a população ariana (veja os links) e o bem comum antes do bem individual, ele é socialista ou pelo menos muito próximo disso.
      http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=98

      Aprenda o que é socialismo e esquerdismo antes de falar ignorâncias. Socialismo não é sinônimo de Marxismo e nem abolição total da propriedade privada.

      Excluir
    74. Vcs são burros pra caralho mesmo, ein. São os bichão mesmo da argumentação. Puta merda. O cara ali em cima provou de todas as formas que o livro do Erik von Kuehnelt-Leddihn era extremamente tendencioso, assim como a personalidade dele e vc cita de novo. É o único livro que conhecem? Eita bando de imbecil. Aliás, o que esperar de olavetes? Argumentos? Bem capaz; só sabem correr, igual ao velho louco, que não tem um livro decente, só merda escrita.

      Mas foda-se, vou passar no posto e encher o carro de combustível fóssil, que não existe - que deve sair do cu da sua mãe, aquela velha gorda. E depois vou comprar uma pepsi para beber um monte de fetos como adoçantes. Eita delícia de argumentação.

      Excluir
  2. O dr. java não merece público.

    ResponderExcluir
  3. huahuahuahau.... É fácil falar mal do Olavo sem ler as obras dele.

    Esses "gnorantes" são uma comédia.

    Estou pra ver alguém falar mal do Olavo com base nas obras filosóficas.
    E o livro "o minimo que vc precisa saber p/ nao ser um idiota" não conta como obra dele. Esse livro é apenas a superfície do pensamento d olavo.
    Quero ver o sujeito ler as obras e fazer uma crítica de verdade.

    Dizer q olavo não é filósofo sem ao menos ler um livro dele é muita falta de inteligência. Deixa de ser "maria vai com as outras" e pelo menos leia para depois criticar.

    ResponderExcluir
  4. Esse Jaava também deve ser da SUN, está sempre se atualizando mas nunca funciona direito! =)

    ResponderExcluir
  5. Frank Java é o Ney Matogrosso das mosquinhas verdes.

    ResponderExcluir
  6. Os anti-olavistas da internet são tão caricatos que se o Olavo fosse mesmo o que eles dizem que ele é, ainda assim ele se sairia melhor na comparação com Punheteu, Pirulla, Frank Jaaava, Eli Vieira, Yuri Grecco, Mestre Bogs. Que turma bizarra!!!!
    Fernando José

    ResponderExcluir
  7. "resolvi seguir seu conselho e não mais considerar como filósofo ou como referência filosófica em qualquer assunto ou para qualquer abordagem séria (...)"

    Seguir seu conselho? Em que parte do vídeo ele diz isso? É sério que o autor desse blog é estudante de LETRAS? Tipo daqueles que viram professores de português e ensinam interpretação de texto?

    Pra ajudar o rapaz estudante de letras a pensar, vai aqui uma citação de um comentário do seu tão estimado "professor":

    "(1) negar uma afirmação não é afirmar a sua oposta"

    Cuidado pra não entrar numa guerra cega, meu jovem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jotaerre,

      Se você soubesse o que se passa em Letras, saberia que estamos aprendendo coisa bem pior do que isso aí, que sequer é uma interpretação errada. Afinal, segundo alguns da minha área, poderíamos dizer que, como anti-olavette, essa é a real intenção de Adriano, ESPECIALMENTE AO DIZER QUE OLAVO SÓ É REFERÊNCIA PARA QUEM CONCORDA COM ELE E NÃO É INICIADO EM FILOSOFIA, rs

      Excluir
    2. Mas o Olavo é referencial só para quem concorda com ele. Quantos trabalhos puramente filosóficos ele realmente tem? Um sobre Aristóteles, que, na verdade, é um resumo da teoria dos quatro discursos, sem nenhuma interpretação original? Ou o sobre Descartes, que trabalho com interpretações, mas não com as ideias próprias de Descartes?
      Os outros não passam de chorume anti-comunista com roupagem varguista.

      Excluir
    3. "Mas o Olavo é referencial só para quem concorda com ele."

      Vejamos:

      Sou apolítico. Olavo é de direita e conservador (apesar de negar).
      Sou ateu. Olavo é católico.
      Não ligo se haverá monarquia ou república. Olavo, provavelmente, é pró-monarquia.
      Não acho que o Estado deva regular o útero ou a bunda alheias. Olavo acha.

      Mais alguma pergunta?

      E trabalho puramente filosófico quantos filósofos têm? O que é filosofia? Qual é a fronteira entre o filosofar e o não-filosofar? O "chorume anti-comunista com roupagem varguista"? E o motivo "concordar" não pode ser aplicado também a outros filósofos, como Bordieu ou Gramsci?

      Excluir
    4. HUEHUEHEUHEUHEUEHEUHEUEHUE
      Só rindo. Apolítico? Meu filho, o fato de você ter um blog já é uma ação política, pare de ser imbecil.

      Em quê o Olavo é seu referencial? Em ser idiota? HGUEHUEHEUHEUEHUEHEUEHEUH

      Perguntei qual o impacto do Olavo para a filosofia. Quantos trabalhos ele tem que trouxeram novas formulações filosóficas? Bourdieu, por exemplo, é usado de forma muita ampla. Gramsci só tem sido estudado dos últimos trinta anos para cá e ainda de forma bem tímida perto da riqueza filosófica dele. Quando falo em filosofo, falo em Nietzsche, Hannah Arendt, Foucault, enfim, quem realmente pensou a sociedade ao invés de ficar com chorume anti-comunista com roupagem varguista. Não entendeu? Consulte um livro de história sobre anti-comunismo no período varguista. Ah, esqueci, história não é seu forte, né HEUHEUHEUEHEUHEUEHUEHEU

      Excluir
    5. "Só rindo. Apolítico? Meu filho, o fato de você ter um blog já é uma ação política, pare de ser imbecil."

      Talvez isto lhe convença de que não sou "imbecil", anônimo: http://apoliticamenteincorreto.wordpress.com/2014/04/11/eu-apolitico-ensaio-sobre-a-nao-resolucao-de-problemas-politicos-ou-por-que-sou-apolitico/

      "Em quê o Olavo é seu referencial? Em ser idiota? HGUEHUEHEUHEUEHUEHEUEHEUH"

      Em procurar sempre estudar mais do que já estudei e em sempre procurar estudar o objeto de minhas críticas.

      "Perguntei qual o impacto do Olavo para a filosofia. "

      Não, você perguntou quantos trabalhos filosóficos ele tem. O impacto de um filósofo para a filosofia dificilmente é sentido enquanto este filósofo está vivo (e.g.: Schopenhauer, que se fodeu a vida inteira por ser anti-hegeliano)

      "Bourdieu, por exemplo, é usado de forma muita ampla"

      Majoritariamente por esquerdistas, não?

      "Quando falo em filosofo, falo em Nietzsche, Hannah Arendt, Foucault, enfim, quem realmente pensou a sociedade ao invés de ficar com chorume anti-comunista com roupagem varguista."

      Hannah Arendt, aquela que é uma das mais importantes estudiosas do totalitarismo e que, mesmo assim, não chega a afirmar que o Nazismo é de direita em seu livro?

      "Não entendeu? Consulte um livro de história sobre anti-comunismo no período varguista. Ah, esqueci, história não é seu forte, né HEUHEUHEUEHEUHEUEHUEHEU"

      Sei o que significa "chorume varguista". Só acho que palavras têm peso, e que seria muito mais inteligente aplicar o adjetivo ao Bóris Casoy do que ao Olavo, rs.

      Excluir
    6. Ah, btw, anônimo, antes que leia o post que linkei, preciso avisar que minha opinião sobre a direita já não é tão, digamos, "boa" como está lá. Confesso que precisaria reescrever algumas partes do post, mas o grosso do que está lá ainda vale a pena.

      Excluir
    7. "Talvez isto lhe convença de que não sou "imbecil", anônimo: http://apoliticamenteincorreto.wordpress.com/2014/04/11/eu-apolitico-ensaio-sobre-a-nao-resolucao-de-problemas-politicos-ou-por-que-sou-apolitico/"

      Indicou um texto próprio? Logo você, que, pelo que vi, se prende as suas próprias premissas? Ou seja, existe o apolitismo e você é o grande líder?

      "Em procurar sempre estudar mais do que já estudei e em sempre procurar estudar o objeto de minhas críticas."


      Minha mãe sempre me incentiva a procurar estudar mais e não paga de filosofa. Já o seu mestre não tem nada de filosofo e ainda assim sai falando que é. Sofisma à parte meu, Olavo te influencia não pela filosofia, mas por uma falsa noção de tutela.


      "Majoritariamente por esquerdistas, não?"

      Sim, claro, porque a academia atualmente está na Guerra Fria ainda. Um autor com reflexões plurais não pode ser usado por um conservador porque irá apodrecer e correr seu cérebro.


      "Hannah Arendt, aquela que é uma das mais importantes estudiosas do totalitarismo e que, mesmo assim, não chega a afirmar que o Nazismo é de direita em seu livro?"

      Da mesma forma que não admitiu ser o Stalinismo uma forma de comunismo e sequer de esquerda. Arendt é muito criticada por apostar numa certa terceira via na definição do totalitarismo. Isso causa um certo obscurecimento nas práticas mais cotidianas de cada governo, como o anticomunismo nazista e o anti-burguesia stalinista.


      "Sei o que significa "chorume varguista". Só acho que palavras têm peso, e que seria muito mais inteligente aplicar o adjetivo ao Bóris Casoy do que ao Olavo, rs."


      Aí é questão de interpretação. Em todo caso, nada exclui que 90% da "filosofia" do Olavo de Carvalho é puro chorume anticomunista sem nenhum sentido e com pouquíssimo conhecimento.

      Excluir
    8. "Indicou um texto próprio? Logo você, que, pelo que vi, se prende as suas próprias premissas? Ou seja, existe o apolitismo e você é o grande líder?"

      Nem é este o caso. Só quis deixar claro o que entendo por "apolitismo", ou, pelo menos, por que me chamo "apolítico".

      "Minha mãe sempre me incentiva a procurar estudar mais e não paga de filosofa. Já o seu mestre não tem nada de filosofo e ainda assim sai falando que é. Sofisma à parte meu, Olavo te influencia não pela filosofia, mas por uma falsa noção de tutela."

      Se fosse este o caso, não teria ficado puto da vida quando Olavo brigou com meu amigo Razzo por causa de uma entrevista que sequer leu. E Olavo me incentivou a estudar de um jeito, digamos, meio heterodoxo, pois minha motivação inicial, como comunista, era refutá-lo. Pena (ou não), porém, que ao fim e ao cabo acabei é saindo do comunismo.

      "Sim, claro, porque a academia atualmente está na Guerra Fria ainda. Um autor com reflexões plurais não pode ser usado por um conservador porque irá apodrecer e correr seu cérebro."

      Reflexões plurais com direcionamento claramente progressista, não? Onde Bordieu defende, por exemplo, o livre-mercado? Se me mostrar um trecho destes, aí acredito que é um autor plural. E nem toda esquerda é comunista ou soviética, como eu e você bem sabemos, suspeito.

      Btw, quer um conservador que usa autores de esquerda? Luciano Henrique Ayan, cuja interpretação do nazismo nosso anônimo pluralista e nada Guerra Fria recusou por não ser "o que a Academia faz". Muito pluralista isto, não?

      "Da mesma forma que não admitiu ser o Stalinismo uma forma de comunismo e sequer de esquerda. Arendt é muito criticada por apostar numa certa terceira via na definição do totalitarismo. Isso causa um certo obscurecimento nas práticas mais cotidianas de cada governo, como o anticomunismo nazista e o anti-burguesia stalinista."

      O que abriu um precedente maravilhoso para que, se um governo for considerado de esquerda, o outro também seja, não acha?

      "Aí é questão de interpretação."

      Já viu a entrevista mais recente do Lira Neto ao Canal Livre? Não acredite em mim e veja, mas, sério, se Bóris não for varguista, será surpreendente.

      "Em todo caso, nada exclui que 90% da "filosofia" do Olavo de Carvalho é puro chorume anticomunista sem nenhum sentido e com pouquíssimo conhecimento."

      Aí concordo, pois boa parte do que escreve Olavo é, como o próprio diz, "crítica cultural". Discordo, porém, da parte do pouquíssimo conhecimento.

      Excluir
    9. "Nem é este o caso. Só quis deixar claro o que entendo por "apolitismo", ou, pelo menos, por que me chamo "apolítico"."


      Qual o caso, então? Dizer que não é nada para dar de dedo na cara de todo mundo e falar que todo mundo é burro?

      "Reflexões plurais com direcionamento claramente progressista, não? Onde Bordieu defende, por exemplo, o livre-mercado? Se me mostrar um trecho destes, aí acredito que é um autor plural. E nem toda esquerda é comunista ou soviética, como eu e você bem sabemos, suspeito.

      Btw, quer um conservador que usa autores de esquerda? Luciano Henrique Ayan, cuja interpretação do nazismo nosso anônimo pluralista e nada Guerra Fria recusou por não ser "o que a Academia faz". Muito pluralista isto, não?"


      Sim, com certeza. Bourdieu além de lindão era economista e ia escrever sobre o livre mercado. Você resume direita à livre mercado? Vai chamar isso de liberalismo também? Bourdieu escreveu reflexões para o campo social e político. Só por que não falou de livre mercado isso o credencia a ser um autor preferencial da esquerda? Por favor, me poupe de vergonha.
      Quem é Luciano Henrique Ayan? Não estou menosprezando, não. Eu realmente não conheço, nunca li nenhum livro dele.

      "O que abriu um precedente maravilhoso para que, se um governo for considerado de esquerda, o outro também seja, não acha? "

      O inverso é verdadeiro também, portanto. Se um governo é admitido de direita, o outro também é. Tá fraca demais sua leitura de Hannah Arendt.


      "Aí concordo, pois boa parte do que escreve Olavo é, como o próprio diz, "crítica cultural". Discordo, porém, da parte do pouquíssimo conhecimento."

      Você tem razão, não é de pouquíssimo conhecimento, não. É nulo, mesmo. Não faz sentido algum o que ele fala sobre a Escola de Frankfurt, por exemplo. Sofisma puro.

      Excluir
    10. "Qual o caso, então? Dizer que não é nada para dar de dedo na cara de todo mundo e falar que todo mundo é burro?"

      Inteligência é algo estatístico, anônimo? (E, sim, parafraseio o socialista Orwell aqui)

      "Sim, com certeza. Bourdieu além de lindão era economista e ia escrever sobre o livre mercado."

      Quem disse que é preciso ser economista para defender o livre-mercado, rapaz? Todos os marxistas (portanto, anti-livre-mercado) são economistas então?

      "Bourdieu escreveu reflexões para o campo social e político."

      Exatamente. Poderia muito bem ter defendido o livre-mercado como um auxiliador para a conquista das liberdades sociais e políticas. Preferiu, porém, a retórica de esquerda (e é isto o que o torna esquerdista) da luta entre opressores e oprimidos.

      "Quem é Luciano Henrique Ayan? Não estou menosprezando, não. Eu realmente não conheço, nunca li nenhum livro dele."

      E precisa ter livro para merecer ser lido? Btw, ele lançará um em breve. Leia-o se puder.

      "O inverso é verdadeiro também, portanto. Se um governo é admitido de direita, o outro também é. Tá fraca demais sua leitura de Hannah Arendt."

      Só que, no caso de Stalin, é praticamente impossível colocá-lo como de direita. É disso que Arendt se esquece e é nisso que ela dá mancada, se é que a intenção dela era mesmo gerar dividendos políticos para a esquerda, do que duvido muito principalmente por seu capítulo sobre a esquerda antissemita.

      "Você tem razão, não é de pouquíssimo conhecimento, não. É nulo, mesmo. Não faz sentido algum o que ele fala sobre a Escola de Frankfurt, por exemplo. Sofisma puro."

      Talvez não sobre os frankfurtianos, mas sobre a mente revolucionária sim. Se já militou na esquerda em algum momento de sua vida, sabe que o que Olavo fala nesse sentido faz total sentido. Deixe de lado os preconceitos contra o velho regulador de útero alheio e preste atenção nisso para confirmar o que digo.

      E, caramba, agora entendi porque este meu blog, mesmo estando finado há tantos meses. Não sei se agradeço ou se fico assustado, rs.

      Excluir
    11. "Inteligência é algo estatístico, anônimo? (E, sim, parafraseio o socialista Orwell aqui)"

      Fugiu do assunto? Estávamos conversando sobre o "apolitismo" que você geniosamente criou. Estou te mostrando desde o início que não existe isso. O fato de você ter uma ação é um ato político. Você pode não se definir ideologicamente, mas até isso é um ato político. Sua confusão mental é tão binária que ainda está na Guerra Fria.


      "Exatamente. Poderia muito bem ter defendido o livre-mercado como um auxiliador para a conquista das liberdades sociais e políticas. Preferiu, porém, a retórica de esquerda (e é isto o que o torna esquerdista) da luta entre opressores e oprimidos."

      Ué, mas só por que não defendeu o livre mercado então é progressista? Não entendo essa lógica tão pragmática. Deixa eu te contar uma coisa, bem simples: livre-mercado está longe de ser sinônimo de liberdade individual. Como posso ter liberdade em um modelo que não permite que eu adquira determinado produto porque o lucro é anteposto à condição de eu tê-lo? Melhor dizendo, como posso ter liberdade se eu não posso adquirir determinado produto porque meu salário é baixo demais? Vai me dizer agora que sou livre para escolher outro emprego, procurar melhores condições e não sei mais o que. Está certo, entendo isso, mas enquanto procuro outro emprego, qual a garantia de meu sustento? Livre mercado é só uma coisa bonita que vocês chamam para aquilo que Marx já anunciava como fetiche da mercadoria.


      "E precisa ter livro para merecer ser lido? Btw, ele lançará um em breve. Leia-o se puder. "

      E será um livro sobre o "nazismo de esquerda"? Será um livro com análise profunda sobre a bibliografia "esquerdista" ou simples panfleto anticomunista?


      "Só que, no caso de Stalin, é praticamente impossível colocá-lo como de direita. É disso que Arendt se esquece e é nisso que ela dá mancada, se é que a intenção dela era mesmo gerar dividendos políticos para a esquerda, do que duvido muito principalmente por seu capítulo sobre a esquerda antissemita."


      E por que é possível colocar Hitler como "de esquerda"? Por que ele defendia a centralização do Estado? Privatizou até a mãe e estatizou só o que regularia a vida dos chamados "inimigos do Estado" e você ainda defende que é de esquerda.

      "Talvez não sobre os frankfurtianos, mas sobre a mente revolucionária sim. Se já militou na esquerda em algum momento de sua vida, sabe que o que Olavo fala nesse sentido faz total sentido. Deixe de lado os preconceitos contra o velho regulador de útero alheio e preste atenção nisso para confirmar o que digo."


      Hm, é mesmo? "Toda historiografia revolucionária é fraudulenta na base, porque interpreta e distorce o passado segundo o molde de um futuro hipotético e aliás indefinível. Não é uma coincidência que os maiores historiadores de todas as épocas tenham sido sempre conservadores."

      Interpretação do passado, por si só, é uma distorção. Nunca saberemos como ele foi. E o que saberemos é a visão de uma pessoa ou uma parcela da sociedade, nunca a visão total. Conteúdo fundamental de teoria da história, a mesma que seu guru lindão não conhece o mínimo. Aí falar que toda a historiografia revolcionária (sic) é distorção e que os melhores historiadores são conservadores é o mesmo descreditar qualquer autor apenas por sua ideologia. Exatamente o que a direita faz: angaria um pequeno e seleto grupo para seu time e o resto despreza, mais ou menos como fez com o Eric Hobsbawm. Só é estranho que na faculdade lemos Tony Judt, grande opositor (e, ainda assim, amigo) de Hobsbawm. Seu guru, assim como você, vive em um mundo binário, do "nós" contra "eles". Daí tudo que representa um perigo ser tratado como "revolucionário". Para você faz sentido, por isso saiu da "militância". Para mim, que saí da direita e fui militar na esquerda, não faz sentido algum.

      Excluir
    12. "Fugiu do assunto? Estávamos conversando sobre o "apolitismo" que você geniosamente criou. Estou te mostrando desde o início que não existe isso. "

      Não fugi de assunto algum. Você reclamou de eu querer "enfiar o dedo na cara de todo mundo e chamar todo mundo de burro". Daí a minha pergunta. Agora, responda-me, inteligência é algo estatístico?

      "O fato de você ter uma ação é um ato político. Você pode não se definir ideologicamente, mas até isso é um ato político. Sua confusão mental é tão binária que ainda está na Guerra Fria."

      E a sua te impossibilitou de pensar que a vida familiar, por exemplo, pode não ser política, e que política não prescinde da existência de uma sociedade organizada, com ou sem Estado.

      "Ué, mas só por que não defendeu o livre mercado então é progressista? Não entendo essa lógica tão pragmática."

      Não distorça minhas palavras. O que o faz progressista é a retórica de opressor x oprimido. Preste atenção no que lê, esquerdista, pois eu não sou Winston Smith para que aqueles que querem ser membros do Partido me façam tropeçar em minhas próprias palavras.

      "Melhor dizendo, como posso ter liberdade se eu não posso adquirir determinado produto porque meu salário é baixo demais? Vai me dizer agora que sou livre para escolher outro emprego, procurar melhores condições e não sei mais o que. Está certo, entendo isso, mas enquanto procuro outro emprego, qual a garantia de meu sustento? "

      A sua garantia é nenhuma, mas nada na vida é garantido. Que garantia você tem de que não morrerá amanhã de infarto fulminante? Só por você não ter essa garantia, então, o direito à vida deveria ser uma furada também?

      "E será um livro sobre o "nazismo de esquerda"? Será um livro com análise profunda sobre a bibliografia "esquerdista" ou simples panfleto anticomunista? "

      Confirme por si próprio: http://lucianoayan.com/livros-recomendados/

      "E por que é possível colocar Hitler como "de esquerda"? Por que ele defendia a centralização do Estado? Privatizou até a mãe e estatizou só o que regularia a vida dos chamados "inimigos do Estado" e você ainda defende que é de esquerda."

      Rapaz, primeiro que direitismo não se resume a privatizações. Posso, aliás, muito bem privatizar "até a mãe" (a sua é pública, falando nisso?) e fazê-lo apenas para que o meu grupo se perpetue no poder, o que só é necessário se eu for de esquerda (afinal, se, segundo a direita, o mercado se autorregula, não é necessário aos direitistas manterem um grupo em específico no poder) ou corporativista, que é algo que se encaixa em ambos os regimes. O problema é que, corporativismo por corporativismo, a natureza da esquerda é, justamente, corporativa, pelo menos até que a "sociedade ideal", que nunca chega, seja alcançada.

      "Hm, é mesmo? "Toda historiografia revolucionária é fraudulenta na base, porque interpreta e distorce o passado segundo o molde de um futuro hipotético e aliás indefinível. Não é uma coincidência que os maiores historiadores de todas as épocas tenham sido sempre conservadores.""

      Não falei em historiografia revolucionária, falei em mente revolucionária, aquela que analisa absolutamente tudo, de obras de arte a instituições sociais, segundo a sua ótica.

      "Interpretação do passado, por si só, é uma distorção. Nunca saberemos como ele foi. E o que saberemos é a visão de uma pessoa ou uma parcela da sociedade, nunca a visão total."

      Porque, é óbvio, se formos pelo método revolucionário, vamos saber a visão de uma classe, o que, certamente, é muito diferente de uma pessoa, como se as classes não fossem parcelas da sociedade. Putz, cara, você é bom mesmo, hein?

      "Aí falar que toda a historiografia revolcionária (sic) é distorção e que os melhores historiadores são conservadores é o mesmo descreditar qualquer autor apenas por sua ideologia."

      Fraudulenta por questões de método, não por questões ideológicas.

      Excluir
    13. "Exatamente o que a direita faz: angaria um pequeno e seleto grupo para seu time e o resto despreza, mais ou menos como fez com o Eric Hobsbawm."

      A esquerda considera ou sequer lê essa pequena lista aqui? http://new.spring.me/#!/flaviomorgen/q/174010747423067441

      Se não, tua crítica é vazia e nada mais do que truquezinho retórico barato.

      "Só é estranho que na faculdade lemos Tony Judt, grande opositor (e, ainda assim, amigo) de Hobsbawm."

      Ah, sei, Tony Judt e quem mais?

      "Seu guru, assim como você, vive em um mundo binário, do "nós" contra "eles"."

      Guru uma ova! Não sou "discípulo" de quem diz que foi mal falado em uma entrevista que sequer leu. Aliás, que estranha esta tua ótica, não? Quer dizer, se defendo Olavo em um ponto mínimo que seja, significa que ele é meu guru e que, portanto, sou um impuro direitista que precisará passar pela reeducação esquerdista. Lindo isso.

      "Daí tudo que representa um perigo ser tratado como "revolucionário". Para você faz sentido, por isso saiu da "militância""

      Na verdade, não. Acho, por exemplo, um perigo à sanidade mental do brasileiro que alguém como Rodrigo Constantino seja levado a sério por quem quer que seja. Não é por isso, porém, que chamo as constantinettes de revolucionárias.

      Aliás, estranha essa acusação por parte de quem não deu um pio até agora sobre como 99% da esquerda, de Pragmatismo Político aos stalinistas de plantão, batem em algo chamado "conservadorismo" que sequer definem. Novamente, outro bom truque. You are really good at fishing. Too bad I'm not biting.

      "Para mim, que saí da direita e fui militar na esquerda, não faz sentido algum."

      Porque, é óbvio, devo necessariamente acreditar em um anônimo (e, não, não acho mesmo que você tenha de mostrar a cara, sinceramente não me importo, pois creio que é seu direito dar opiniões anônimas na internet) que não mostrou quaisquer evidências de que tenha sido de direita, mesmo que fosse um texto de blog. Meus textos esquerdistas, por exemplo, estão aqui aos montes. Acesse a aba "2011" e confirmará. Já para o seu "direitismo" (que, para vocês da esquerda, vai do PMDB até os libertarians, pelo visto, ou seja, algo muito bem definido e que contribui muito para o debate político), só posso usar a frase do esquerdista - pois, lembre-se, ele nunca se tornou reaça de fato - Christopher Hitchens: "O que pode ser afirmado sem evidências pode ser descartado sem evidências."

      Como, porém, lido com um embusteiro, esperar por evidências é quase tão maluco quanto esperar pelo Papai Noel.

      Excluir
  8. Porra Octávio virou um polemistazinho de merda! Vc sabe que não gosto muito desses autores de internet, porem o vídeo em cima é bem tranquilo! O que o cara quis dizer é que o Olavo não quer gerar porcaria de conhecimento nenhum, ele quer simplesmente é formar uma geração de doutrinados sem capacidade de interpretação e com uma raiva extrema por qualquer discurso que o atrapalhe e seja minimamento contraditório com o seu ideal de mundo.
    Vc infelizmente pela surra que tomou ali em cima do cara que não tem nome demonstra ser uma "vítima" disso que o cara do vídeo disse. Vc não busca nenhum tipo de informação fora da sua caixinha, pois parece que o contraditório te ferre de maneira absurda.
    A ultima critica é que seus textos tão cada vez mais raivosos e com muito menos profundidade, mesmo escrevendo cada dia mais. Até

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antonio,

      Considerando o nível atual dos nossos, como se diz?, "filósofos" e acadêmicos, você me falar que virei um polemista de merda é o melhor elogio que pode me fazer, rapaz.

      Sobre o que o cara quis dizer, não interessa. O que me interessa é o que ele disse, e que ele usou essa besteira de "falta de humildade" como argumento contra um pensador e, pior, contra ouvir esse pensador. Porra, que tipo escroque de puritanismo é esse?

      Não tomei surra nenhuma ali em cima. Não tenho culpa se o nego é diplomólatra e não entende que teoria e práxis já são associadas por natureza e que uma sociedade de economia dirigista, de tendência revolucionária e anti-voluntarista não pode ser de direita.

      Sobre os textos raivosos, obrigado pela crítica, usá-la-ei no meu próximo post, qualquer que seja o tema, rs

      Excluir
    2. O que eu senti em você foi um profundo desconhecimento do assunto, no caso o "fascismo" e uma tentativa de pegar alguns erros e contradições do carra para desmerecer os seus argumentos, o que na minha opinião não deu nada certo.
      Quer um exemplo da sua falta de conhecimento e cabeça duro sobre o assunto é chamar o fascismo de "tendência revolucionária" sendo que essa corrente era na verdade super conservadora! Vc infelizmente perdeu o bom senso e deixou o mimimi anti esquerda ser mais forte que seu senso crítico!

      Excluir
    3. Antonio,

      O que é ser um conservador?

      Excluir
    4. Fácil! Quem é a favor da conservação dos principais elementos de uma sociedade pré estabelecida. Na nossa sociedade atual, é quem é a favor da propriedade privada dos meios de produções e das relações e organização sócio cultural burguesa! :) O conceito de conservador muda de acordo com a o momento e o espaço.

      Excluir
    5. "Fácil! Quem é a favor da conservação dos principais elementos de uma sociedade pré estabelecida."

      Porra, tu ainda tá no nível do "conservador conserva". Puta que pariu.

      Excluir
    6. Então o que é conservador, senhor todo poderoso Octávio?

      Excluir
    7. Conservador é todo aquele que, diante de mudanças, adota a prudência, e não a festividade ou o entusiasmo desmesurado.

      Excluir
    8. Antônio, você sabe com qual tipo de discurso Hitler chegou ao poder??

      Excluir
    9. Com um discurso de mudanças sociais drásticas, afim de resgatar uma suposta tradição germânica perdida. Era um discurso revolucionário a sua maneira, tanto que os primeiros a oferecerem resistência às malucas idéias nazistas foram os conservadores.

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Esse anônimo do debate interminável é realmente muito engraçado. Ele julga o Nazismo pelos fatos históricos, mas para julgar a esquerda usa apenas o discurso pomposo de igualdade e de defesa das "minorias". Em todo lugar que a extrema esquerda chegou ao poder o que se viu foi campos de trabalho forçado, aniquilação da liberdade, uma classe superpoderosa (burocratas do estado) e outra na miséria (o povo). O que a gente ainda vê nesses países é comunista fuzilando comunista, eles se devoram. O Modus operandi de Hitler e realmente muito parecido com o de Stalin, Mao, Pol Pot e outros genocidas. Antes de julgar o nazismo como direita ou esquerda , é preciso definir claramente o que elas são, e só ai já seria um debate interminável. Prefiro pensar em sistemas políticos que respeitam as liberdades individuais e sistemas coletivistas que não a respeitam. E todos esses são sistemas que não respeitam as liberdades individuais, portanto nocivos.
    É interessante julgar a esquerda também pelos seus atos: O que a esquerda fez de fato pelas "minorias"? O movimento abolicionista e os direitos civis das mulheres foram frutos de ideias liberais conservadoras, predominantemente do iluminismo britânico. A esquerda luta pela igualdade e pelas minorias no discurso, na prática liberais e conservadores e o livre mercado fizeram muito mais pela humanidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem acho que nenhuma pessoa minimamente sãn em um país que passou 21 dos últimos 50 anos em uma ditadura é a favor de um estado que respeita as liberdades individuais, porem vc errou muito ao dizer que países socialistas não respeitam liberdades individuais, o Chile é um exemplo claro que isso não tem nada a ver com posicionamento nas simplificações, Direita X Esquerda. Mais sim pertencentes a outro eixo que é o de Liberdade Individual X Autoritarismo.
      Sobre os direitos civis femininos é foi uma luta completamente partilhada vide o quanto uma Alemanha Oriental da vida dava mais direitos as mulheres que a vizinha Suiça, sendo essa mil vez mais respeitadora das liberdades individuais.
      Ou seja cuidado com as simplificações absurdas.

      Excluir
    2. Não estou propondo simplificações estúpidas, na verdade considero que classificar o Nazismo como direita ou esquerda trata-se de idealizar tanto a direita quanto a esquerda como se elas fosses ideias puras que não se contaminaram com as conjunturas. Penso que tanto o Nazismo como o Comunismo devem estar no mesmo patamar, não por ambos serem necessariamente de esquerda, mas por ambos serem acima de tudo antiliberais e revolucionários. Ambos são regimes de ódio, o resultado de milhões de mortes não foram um mero acaso, mas sim o fim esperado quando se tenta por em prática essas ideias de reinventar o homem e a sociedade.
      Quando falei sobre direitos femininos, me referia a origem dessas ideias, não ao sequestro e a distorção delas pela esquerda revolucionária.
      Poderia dar um exemplo de país socialista que respeita as liberdades individuais? Ou a Alemanha Oriental seria esse tal exemplo?

      Excluir
    3. Anônimo. Eu dei o exemplo do Chile (1970-1973), que teve um governo Socialista democrático e com respeito as liberdades individuais, sendo esse golpeado pelo Pinochet (1973-1990), que teve uma ditadura personalista beirando ao totalitarismo de economia liberal.
      A Alemanha Oriental foi uma ditadura, o exemplo que dei, foi que no país da Stasi as mulheres tinham muita mais igualdade perante aos homens que na Suíça, país democrática e com uma costume de respeito as liberdades individuais.
      Acho que a aproximação entre o Nazismo e o Stalinismo (Uma vertente da esquerda) se dá pelo uso do totalitarismo e só nisso, pois apesar de serem anti liberais a U.R.S.S. era anti propriedade os alemães não, alem de que acho um erro absurdo falar que o Nazismo é revolucionário, sendo que seu discurso é extremamente conservador e tradicionalista.
      (Obs: Lembrando que o conservadorismo Alemão da primeira metade do século XX não tem muito a ver com o Inglês).

      Excluir
    4. De todo o experimento socialista no mundo vc cita 3 anos de TENTATIVA de implementação de um socialismo no Chile como o grande exemplo de democracia socialista. Com certeza na hora de analisar a direita vc usa os períodos de exceção para julgá-la. Sim, os comunas mataram dezenas de milhões de pessoas no mundo e o Stalinismo é que é o problema... sei. Mas, no Chile os socialista não tinham matado e nem instalado uma ditadura... ainda.
      Sim, na Alemanha Oriental as mulheres eram muito mais iguais aos homens... elas e os homens eram igualmente ...escravos do Estado. Ainda são em Cuba e na Coreia do Norte que a esquerda adora.
      Claro o socialismo é democrático, malvado era Stalin, ele distorceu tudo, o Comunismo de verdade nunca existiu, ele é perfeito e levará a sociedade a perfeição ( se não fosse Stalin). Talvez o Nazismo também seja bom o problema talvez fosse apenas... Hitler.

      Excluir
    5. Complementando:
      Os pontos que eu defendo são os seguintes:
      1. Não existe sistema socialista que respeite as liberdades individuais. É ilógico como um triângulo de quatro lados. O problema não esta na distorção, mas sim na própria ideologia socialista. É apenas uma questão de ser mais ou menos violento.
      2. Caracterizar o Nazismo como direita ou esquerda esta mais relacionado com a visão que o indivíduo tem dessas ideologias do que o que elas são de fato.
      3. Comunismo e Nazismo pregam o ódio dentro de suas concepções ideológicas, genocídios são consequências naturais da aplicação dessas ideologias. Isso as aproxima e coloca, não apenas os regimes, mas as próprias ideologias no mesmo patamar de agressão a humanidade.
      4. Liberais Conservadores fizeram mais pela humanidade em geral, e isso favoreceu a todos inclusive as chamadas minorias. A esquerda fez muito pouco pelas minorias. Se é que fez algo de concreto e a que custo?. As ideologias de esquerda mataram mais gente que qualquer outra ideologia ou religião.
      5. A maior parte da esquerda ainda se afirma sobre as mesmas bases perigosas, que são:
      a) ódio de classes (mulheres x homens, homossexuais x heterossexuais, negros x brancos, ateus x religiosos, pobres x ricos...)
      b) inchamento estatal interferindo nos pormenores da vida (liberdade de expressão, religião, moral, família, hábitos...) sempre contra os costumes do povo, considerados sempre como preconceituosos e inimigos do novo homem que irá surgir com uma nova consciência
      c) restrição dos direitos individuais (vida, propriedade, liberdade, igualdade perante a lei) frente a uma função social, um bem comum cada vez mais abstrato
      Conclusão do item 5: a maior parte da esquerda continua totalitária.

      Excluir
    6. "O movimento abolicionista e os direitos civis das mulheres foram frutos de ideias liberais conservadoras, predominantemente do iluminismo britânico"



      Nossa, como os conservadores eram lindos e maravilhosos, não? Só esqueceu de apontar que o movimento abolicionista, à época, era visto como um movimento revolucionário e era totalmente execrado pelos conservadores, muitos deles donos de navios negreiros - daquilo que vocês chamam de "livre comércio".
      Já as mulheres, quanta ingenuidade: Rosa Luxemburgo, que não era inglesa, é verdade, ela por si só te refuta.


      Na boa, que universo paralelo vocês vivem?

      Excluir
    7. "Na boa, que universo paralelo vocês vivem?"

      No universo em que conservadorismo tem mais a ver com prudência do que com preservação de status quo e no universo em que o conservador Joaquim Nabuco era abolicionista. Vlw, flws.

      Excluir
    8. Grande Nabuco. Se hoje estivesse vivo seria chamado de "esquerda caviar", por ser rico e ficar ao lado dos oprimidos.

      Acho interessante que vocês reaças se pautam da exceção e tomam pela regra.

      Excluir
    9. "Grande Nabuco. Se hoje estivesse vivo seria chamado de "esquerda caviar", por ser rico e ficar ao lado dos oprimidos."

      Se Nabuco era conservador, não pensaria o mundo em termo de opressores contra oprimidos de qualquer maneira. Além disso, isso de "se ele estivesse vivo hoje, faria X, Y ou Z" não passa de masturbação mental de ideólogos de meia-pataca. Se pá, se estivesse vivo hoje, talvez Nabuco fosse até mesmo comunista ou liberal. Fazer esse tipo de suposição é muito difícil, pois tiramos um homem de seu tempo e o analisamos segundo o nosso tempo.

      "Acho interessante que vocês reaças se pautam da exceção e tomam pela regra."

      Qual é a regra para ser conservador, anônimo? Existe um padrão? Se o cara aceita a Pena de Morte, por exemplo, é conservador? Como fica Reinaldo Azevedo, então, que não aceita a Pena de Morte? Se o cara aceita as cotas, não é conservador nem "reaça"? Então o que eu, que apoio Cotas Raciais em universidades públicas, sou? Tá meio enrolado isso aí, rapaz.

      Excluir
    10. Você tem certeza que é estudante de letras? Tá péssimo de interpretação, hein. Vamos lá:

      você citou um conservador abolicionista. Eu citei que a maioria dos abolicionistas eram vistos como revolucionários e muitos assim se identificavam. Logo, seu exemplo é a exceção. Por conseguinte, você a tomou por regra.


      Deus me livre, hein. E ainda dizem que os esquerdistas é que são burros.

      Excluir
    11. "você citou um conservador abolicionista. Eu citei que a maioria dos abolicionistas eram vistos como revolucionários e muitos assim se identificavam. Logo, seu exemplo é a exceção. Por conseguinte, você a tomou por regra."

      Ora, as ideias estéticas de Aristóteles também são consideradas "revolucionárias" em relação às de Platão, mas não é por isso que os conservadores deixam de considerar o "revolucionário" um gênio.

      E outra, não sei se concorda, mas esses "revolucionários" abolicionistas foram meio reacionários depois que a abolição estava feita, não? Onde ficaram as leis de auxílio aos negros que tanto precisariam delas ao ficarem livres? Será mesmo que toda a estrutura social foi alterada, ou o que se alterou foram apenas os nomes das classes?

      Excluir
  11. Caro Octavius, como estudante(Conservador, nos moldes de Russel Kirk) de ciências sociais, assino em baixo o que você comentou. O anônimo é mais um acadêmico que não suporta ver suas convicções revolucionárias serem questionadas. Ler o "Manifesto Comunista", de Marx/ Engels, basta para demonstrar os pontos em comum, entre marxismo e nazismo(principalmente os "10 mandamentos". Não estou falando do escrito por Moisés. Marx, em sua revolta egofanica, tungava o cristianismo sempre que podia). O problema da mentalidade revolucionária, é sua completa alienação da realidade(E, pensam defender ela, a realidade). Segundo Eric Voegelin, todo revolucionário vive em uma segunda realidade; não adiantando mostrar-lhes fatos ou argumentos lógicos, pois para que servem, senão para desmontar seus(o dos revolucionários) lindos castelos de areias?. É MAIS CONFORTÁVEL NEGAR A REALIDADE, DO QUE ACEITAR A TENSÃO EXISTENCIAL(Voegelin. Já que o anônimo gosta de fontes), À QUAL TODO SER HUMANO ESTA SUJEITO.
    O anônimo ainda diz que é "mestre" em história e "pesquisa" o tema há seis anos. Lendo somente autores revolucionários, é claro. O cara está dentro da academia e não consegue ver a hegemonia de autores esquerdistas(=revolucionários) presente nas ementas. Pior, não consegue enxergar que as "diversas correntes" possuem uma fonte em comum: O Materialismo. Reforçado pela Revolução Francesa. Aceito como dogma nas universidades da atualidade. E ai de quem questionar...(com alguns professores, a reprovação é altamente provável; a não ser que você responda o que mainstream aceita como "crítico"). Ainda pior, é ele dizer que deixou de ser comunista, repetindo os mantras revolucionários... dos comunistas....
    Parabéns nobre Octavius pela paciência. A verdade agradece.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 10 Mandamentos? Quais 10 mandamentos? O "decálogo de Lênin"? Já foi comprovado ser uma fraude. Marx nunca fez 10 Mandamentos. Tá maluco?

      Excluir
    2. Anônimo,

      Na verdade, não sei se foi a isso que Fabrício se referiu, mas, salvo engano, na parte final do "Manifesto", Marx dá dez recomendações de o que o revolucionário pode fazer para concretizar a revolução em seu país e ajudar na internacionalização desta.

      Agora, de fato, se ele se referia ao Decálogo, aí foi mancada mesmo.

      Excluir
  12. Sobre o Autor: Octavius é graduando em Letras e caminha, mesmo que a passos tímidos, para ser uma olavete filha da puta que acredita em astrologia e geocentrismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre o Comentandor: Asiloracing é um troll neoateu fanático.

      Excluir
  13. Porto do Céu - Como a Astrologia contribuiu para a sua formação?

    Olavo de Carvalho - Muito. Não existe possibilidade alguma de entendimento de qualquer civilização antiga sem o conhecimento da Astrologia. O modelo de visão do mundo baseado nos ciclos planetários e nas esferas esteve em vigor durante milênios e isto continua a estar, de certo modo, no "inconsciente" das pessoas. Apesar de algumas deficiências no modelo astrológico, foi ele quem estruturou a humanidade pelo menos a partir do império egípcio-babilônico, o que significa, no mínimo, cinco mil anos de história. A Astrologia é um elemento obrigatório, por isto quem não a estudou, não estudou nada, é um analfabeto, um estúpido. O trabalho mais vigoroso nas ciências humanas do século XX, por exemplo, só aconteceu depois da existência do Instituto Warburg, fundado em Londres por um milionário judeu fugido da Alemanha, que juntou, durante 20 anos, as melhores cabeças do século em torno de uma coleção de manuscritos astrológicos e alquímicos. Sem este estudo, a comunidade acadêmica nunca teria qualquer possibilidade de compreensão real das civilizações antigas.

    ResponderExcluir